Arquivos do Blog

AEROPORTO PARA ATENDER O COMPLEXO PETROQUÍMICO DO ESTADO E POLO NAVAL

Maricá terá até 2017, base para aviões de pequeno porte e helicópteros. Previsão é que novo aeroporto tenha movimento de 68 mil passageiros e 10 mil aviões por ano

O Aeródromo Municipal de Maricá deverá se tornar um aeroporto de pequeno porte até 2017, com base operacional para helicópteros e para atender demandas do futuro Pólo Naval de Jaconé e do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj), em Itaboraí, de acordo com a Prefeitura de Maricá.

A previsão é de que o novo aeroporto tenha um movimento de 68 mil passageiros por ano, com tráfego estimado de 10 mil aeronaves/ano. A movimentação de carga também deverá ser expressiva para um aeroporto regional de pequeno porte, em torno de 4.300 toneladas. A expectativa de crescimento anual é de 7% para passageiros e 10% para movimentação de cargas.

De acordo com a Prefeitura de Maricá, a empresa Informe Empresarial, contratada por meio de licitação pública, está desenvolvendo um estudo de viabilidade do projeto, que deverá ser concluído até outubro deste ano.

Está prevista no projeto a criação de um terminal de embarque e desembarque e toda estrutura necessária para abrigar aviações aéreas executivas, como brigada de incêndio, além da instalação de equipamentos de segurança e monitoramento. Ainda segundo o estudo, não será preciso ampliar a atual pista de pouso e decolagem. Ela já está capacitada para receber aviões executivos e aviação regional de pequeno porte, com extensão de 1.150 metros.

O objetivo, de acordo com a prefeitura, é fazer a concessão, por meio de processo licitatório, com uma empresa que será responsável pelo complexo viário e pelo custeio das obras. Parte do faturamento bruto do aeroporto, que engloba as taxas decorrentes das operações aéreas e todas as ações comerciais no âmbito do terminal, como a cobrança de estacionamento e o faturamento de lojas e bares, deverão ser repassados para o município. A licitação, no entanto, ainda não tem data para acontecer.

Funcionam irregularmente no espaço 15 empresas, que tiveram seus alvarás caçados pela Secretaria Municipal de Fazenda em maio deste ano e tiveram até o último dia 13 para encerrar as atividades. Essa determinação foi dada porque, em 2005, o Tribunal de Contas do Estado detectou que a gestão municipal da época concedeu o espaço para utilização da iniciativa privada sem que houvesse processo licitatório.

De acordo com o secretário Municipal de Fazenda de Maricá, Roberto Santiago, todas as medidas necessárias já estão sendo tomadas para regularização e início do projeto do aeroporto.

“Iremos agora enviar um ofício para a Procuradoria, informando que as empresas estão funcionando de maneira irregular. O projeto do aeroporto irá trazer muitos benefícios para a população, inclusive no aspecto da segurança, porque antes não tínhamos o controle do espaço aéreo”, completou.

Já o presidente do Aeroclube Escola de Pilotagem de Maricá, empresa mais antiga que funciona no aeródromo, Alberto Cardoso de Azevedo, relatou que a empresa está recorrendo da medida.

“Notificamos o Comando da Aeronáutica e a Agência Nacional de Aviação Civil. Não podemos simplesmente fechar e demitir todos os funcionários, sem falar dos alunos brasileiros e estrangeiros que já compraram pacotes de cursos. Se a prefeitura está fazendo um novo projeto, nós gostaríamos de participar”, disse.

Atualmente cerca de 250 pessoas trabalham no aeródromo entre funcionários das empresas e terceirizados.

Fonte: O Fluminense – 19/08/2012

DJANIRA FELIPE – PRIORIZA VOCÊ!

FAÇA A DIFERENÇA!

VOCÊ TEM UMA NOVA OPÇÃO PARA VEREADORA.

DJANIRA FELIPE – VOCÊ PRECISA CONHECER-ME:

  1. Nasci na Cidade do CRATO – Sul do Ceará e moro no Rio de Janeiro, desde a década de 70;
  2. Trabalho nos CORREIOS há 25 anos – Atualmente na Assessoria de Planejamento e Gestão – Cargo Analista de Correios Pleno – Atividade Administrador;
  3. Minha candidatura é motivada pelos desafios que a cidade do Rio de Janeiro apresenta e que marca o inicio de uma caminhada, que faremos juntos;
  4. Os ideais que me trouxeram até aqui foram impulsionados pela necessidade daqueles que perderam a confiança e a credibilidade na realidade política que hoje vivemos. Tenham a certeza de que não foi por ambição de poder nem para resolver problemas pessoais;
  5. Tenho Qualificação e Vontade Política para realizar o Trabalho com Ética, Seriedade e Comprometimento, como sua Representante na Câmara dos Vereadores;
  6. Conheço a realidade daqueles que moram em comunidades. Carentes, principalmente de Políticas Públicas e Sociais;
  7. Conheço a realidade daqueles que moram fora das comunidades, mas que são igualmente carentes porque também fazem parte do POVO da cidade do Rio de Janeiro;
  8. Sou Mulher que Idealizo e Realizo;
  9. Sinto na pele os anseios do Povo porque sou igual, porque sou Povo;
  10. Sou a Cidadã Brasileira, Cearense que deseja representar, servir e atender o interesse do Povo do Rio de Janeiro, Legitimada pelo seu VOTO.

Minha Prioridade é Você! Será Sempre Você! Porque faço Política Séria, em prol do bem comum.

ACREDITE!  VOCÊ PODE FAZER A DIFERENÇA!   VOTE – 10196 – DJANIRA FELIPE.

 

O SENADOR REFORÇOU A CONVOCAÇÃO PARA QUE NO DIA 25, POLÍTICOS E SOCIEDADE SE MANIFESTEM PELA PROPOSTA

FOTO: AGÊNCIA SENADO

 FOTO: AGÊNCIA SENADO

 AMIGOS E LEITORES DO BLOG

VAMOS ACOMPANHAR ESSA HISTÓRIA. É IMPORTANTE PARA O RIO DE JANEIRO.

Djanira Felipe.

Vital do Rêgo diz que se a Câmara não fixar a data, vai pedir que o veto ao projeto de distribuição de royalties seja votado.

Brasília A presidente Dilma Rousseff tem hoje a primeira rodada de reuniões com governadores para discutir a divisão dos royalties do petróleo, depois da decisão de assumir o comando das articulações em torno do projeto em tramitação na Câmara. À tarde, ela recebe os governadores do Espírito Santo, Renato Casagrande, e do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, Estados que perderão receitas com a proposta que irá à votação pelos deputados.

Na semana passada, Dilma entrou em campo para controlar o calendário de votação do projeto, adiando a decisão sobre os royalties para 2012. Os Estados e os municípios produtores concentram a maior parte da receita no modelo em vigor e não aceitam as mudanças na proposta aprovada no Senado. A presidente pediu dados para analisar o impacto do projeto do senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) nos Estados e nos municípios produtores, ganhando tempo na estratégia de protelar a votação para o próximo ano. Dilma trabalha para diminuir a pressão na base e afastar a polêmica entre os produtores e não produtores para evitar que a discussão contamine a votação de projetos de interesse do governo que precisam ser aprovados ainda neste ano.

A prioridade, além do Orçamento de 2012, é votar em tempo recorde a proposta de Desvinculação das Receitas da União (DRU), sem a qual a presidente perderá margem de manobra à aplicação dos recursos orçamentários.

Enviada com atraso para o Congresso, a proposta de emenda constitucional da DRU precisa passar pelo segundo turno de votação na Câmara para ser analisada ainda pelo Senado até antes do início do recesso do Congresso no dia 23 de dezembro. Além de discutir os royalties, o encontro de Dilma e o governador Sérgio Cabral, servirá também para avaliar a instalação da Unidade de Polícia Pacificadora – UPP  na Rocinha.

Cobrança

 O senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) fez um apelo segunda-feira no plenário para que o presidente da Câmara, Marco Maia, defina uma data para votação do substitutivo de sua autoria ao projeto de lei que está em análise naquela Casa, que deu nova redistribuição aos royalties do petróleo, tanto do pré-sal e quanto do pós-sal, beneficiando Estados e municípios não produtores. As informações são da Agência Senado.

 

Caso contrário, disse que irá pedir ao presidente do Senado, José Sarney, que defina uma data para votação do veto ao projeto de lei que distribui os royalties entre Estados e municípios produtores e não produtores de acordo com os critérios do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Vital do Rêgo reforçou a convocação que vem sendo feita pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) para que, no dia 25 deste mês, prefeitos, vereadores e entidades da sociedade civil se manifestem favoravelmente à proposta.

Seria uma resposta às manifestações feitas no Rio de Janeiro e no Espírito Santo na semana passada, em protesto pelas perdas que, segundo seus representantes, poderão “quebrar” esses Estados.

 “Todos os municípios vão se manifestar sobre o substitutivo de nossa autoria sobre os royalties. Vamos convocar todos os prefeitos para uma ação integrada em todo o País”, concluiu.

Fonte: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1070780 – Publicado em 16 de novembro de 2011

 

À VEREADORA TÂNIA BASTOS

Qual deve ser o perfil de um bom político?

 

De tanto ouvir críticas e notícias ruins sobre os políticos, resolvi fazer uma reflexão: Afinal, eu também sou responsável pela realidade que se apresenta no País, no Estado e no Município. Sou uma dos milhões de brasileiros que votaram e fizeram as suas escolhas. Nesse caso o problema também é meu.

Tenho pensado muito nisso e resolvi definir o que na minha percepção vem a ser um bom político com base em observações que realizo há algum tempo sobre a atuação de uma parlamentar de nível Municipal, na Cidade do Rio de Janeiro.

Esclareço que não há pretensão nenhuma de promover nem de evidenciar falhas de outras pessoas públicas. O que desejo é apenas registrar para os meus amigos e leitores, que em nossa cidade existe uma mulher parlamentar, de primeiro mandato, que vem ganhando visibilidade pela atuação em vários segmentos da sociedade.

Falo porque acompanho o trabalho dessa mulher guerreira, que não nega suas origens e tem a humildade de falar, enquanto preside uma audiência pública, com toda serenidade, que muito aprende com as pessoas que ali estão. Além disso, atende cada pessoa que a procura com atenção dedicada, com simplicidade e simpatia. Fala olhando no olho de quem a escuta e conquista credibilidade. Para mim, a Vereadora Tânia Bastos é o exemplo de parlamentar com “perfil de um bom político”.

O bom político tem que agir assim, ser atencioso, ouvir os anseios da sociedade e promover ações pela qual ecoe a voz do povo em audiências públicas, por projetos de Lei, ou ainda por outros meios disponíveis éticos e legais.

Para alguns essa minha definição poderá parecer utopia, mas ela atualmente defende causas nobres que merecem os nossos aplausos e a atenção dos Governantes que têm as ferramentas para promover ações em prol do Bem Comum. Um exemplo é a questão dos Autistas para não citar outros temas. Ela hoje representa um elo de uma corrente que poderá provocar mudanças, senão promover a melhoria da qualidade de vida dessas famílias que se tornam autistas pelos laços e pelo convívio com os filhos nessa condição.

A Vereadora Tânia Bastos é assim, mulher de poucas palavras, clara e objetiva. É a Presidente Estadual do PRB/RJ, e Presidente da Comissão Permanente em Defesa da Mulher na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, nessa última reeleita.

Parabéns! Vereadora Tânia Bastos, pelo empenho em minimizar a distância entre o povo e seus parlamentares e por promover a crença de que nem tudo está perdido. Você está no Rol dos Bons Políticos da Cidade do Rio de Janeiro.

E quem entender que exagerei verifique o que é ser um bom político no Livro de nome NEEMIAS NA BÍBLIA. No capítulo 6 verso 15. No Capítulo 5 versos: 2, 3, 4, 6, 7,10, 11, 14, 16 e 18. Portanto, É bom político aquele que tem temor a Deus.

 

Adm. Djanira Felipe de Oliveira
Blog:www.djanirafelipe.wordpress.com
Twitter: @DjaniraFelipe
Facebook: Djanira Felipe de Oliveira

Rio inaugura primeira obra olímpica de 2016

Antes de receber os atletas, o espaço será palco da 4ª do Rock in Rio

Do R7

Beth Santos

olimpiada

O prefeito Eduardo Paes participou da inauguração

A primeira obra olímpica do Rio foi inaugurada na manhã deste sábado (6) na Barra da Tijuca, na zona oeste. O Parque dos Atletas será o local de recreação dos competidores que disputarão os jogos olímpicos de 2016.

Mas enquanto a Olimpíada não chega, o espaço será transformará na nova cidade do rock, que vai sediar a 4ª edição do Rock in Rio nos meses de setembro e outubro deste ano. O evento deve reunir 700 mil pessoas.

Depois do festival, o parque, que tem 123 mil metros quadrados, campos de futebol e quadras esportivas, será aberto à população.

A inauguração contou com a presença do presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman e do prefeito Eduardo Paes. As meninas do grupo de ginastas do Complexo do Alemão, na zona norte, também conheceram o novo espaço.

%d blogueiros gostam disto: