Arquivos do Blog

LOJAS ON-LINE DEMORAM ATÉ 46 DIAS PARA FAZER ENTREGAS, APONTA PESQUISA

compras_online

O e-commerce brasileiro pode demorar até 46 dias para fazer uma entrega. A informação faz parte de um levantamento realizado pela Sieve Price Intelligence, especialista de inteligência de preços, entre os dias 27 e 30 de abril, em 10 sites, com ao menos 47 mil combinações entre CEPs das cinco regiões do país e 219 produtos.

Ainda de acordo com o estudo, em média, o e-commerce entrega em até 12 dias os pedidos e também tem prazo mínimo de entrega de um dia. Em relação ao valor, o preço máximo de frete encontrado foi de R$ 1.344 e o médio, de R$ 67. O menor frete cobrado, sem considerar o frete grátis, é R$ 1,50.

Quando analisado o percentual médio do valor do frete sobre o preço do produto, o departamento de bicicletas e fitness tem o maior percentual, com 26%. Em seguida estão os eletroportáteis, com 8%, os refrigeradores e som leve (5% cada) e os queimadores (4%). Os televisores e equipamentos de informática são os que possuem menor percentual: 1% cada. Na prática, isso significa que se uma televisão custar R$ 1 mil, em média, o frete custará R$ 10. O percentual médio de todos os produtos é de 3%.

Por fim, de todas as possibilidades monitoradas, a categoria com maior percentual de frete grátis é a de ferramentas, com 48%. Os televisores e os chamados “linha branca” vêm em segundo lugar, com 30% cada, seguidos dos refrigeradores e eletroportáteis (27% cada). A única categoria analisada que não teve frete grátis foi a de câmeras e filmadoras, com 0%.

Segundo Jefferson Costa, Gerente de Inteligência de Mercado da Sieve, essas informações são essenciais para que o varejista desenvolva uma estratégia de frete e prazo de entrega em campanhas sazonais, para que em alguns produtos ele consiga aumentar a receita de frete e entregar num prazo menor que a concorrência.

 

Fonte: E-commerce News – 08/06/2015

Colaboração Adolpho Ladeira – Analista de Mercado – Panorama Rio ECT

Anúncios

BRASIL É O TERCEIRO MERCADO MAIS IMPORTANTE NO MUNDO, DIZ PESQUISA

economia-brasil-ademilar

Na pesquisa da PwC divulgada anualmente no Fórum Econômico em Davos, País só perde para a China e para os EUA; fórum começa nesta quarta-feira

Num mundo em que a confiança empresarial permanece combalida, o Brasil aparece como o terceiro mercado mais importante, depois dos Estados Unidos e da China, segundo pesquisa com 1.330 principais executivos de empresas em 68 países. A pesquisa, da empresa de consultoria e auditoria PricewaterhouseCoopers (PwC), é divulgada anualmente em Davos, um dia antes da abertura do Fórum Econômico Mundial, que começa hoje.

Numa pergunta em que os executivos listam os três principais mercados globais nos próximos 12 meses fora do seu país base, o Brasil foi mencionado por 15% deles, só perdendo da China, com 31%, e dos Estados Unidos, com 23%. O Brasil ficou na frente de países como Alemanha (12%), Reino Unido (6%) e Índia, 10%. No estudo, o Brasil é colocado no grupo de países cujo crescimento deve acelerar, com uma projeção da PwC de expansão média do PIB de 4% nos três anos a partir de 2013.

Segundo Dennis Nally, chairman da PwC International, apesar do baixo crescimento recente do Brasil, “os principais executivos se mantêm muito focados quando veem perspectivas de longo prazo”. Entre as razões que sustentam o otimismo de médio e longo prazos no Brasil, Nally mencionou a boa demografia e a expansão da classe média.

Em relação ao mundo como um todo, porém, a pesquisa anual da PwC é menos animadora. Apenas 36% dos principais executivos consultados estão “muito confiantes” nas perspectivas de crescimento das suas empresas nos próximos 12 meses. Este número está abaixo dos 40% para a mesma resposta na pesquisa de 2012, mas ainda está acima dos níveis de 2009 e 2010, de respectivamente 21% e 31%.

Em termos da economia, 28% dos executivos previram que ela vai declinar ainda mais em relação a 2012, 18% previram melhora e 52% acharam que vai continuar na mesma. Esses números denotam melhora em relação à pesquisa de 2012, quando 48% dos executivos previram que a economia global iria piorar.

Os executivos europeus foram os mais pessimistas em relação ao aumento do faturamento no curto prazo, seguidos dos americanos. Mesmo em relação à África, que hoje é vista como a próxima região de grande potencial de crescimento, houve queda de 2012 para 2013 no número de executivos que previram crescimento do faturamento, de 57% para 44%.

Dentre todas as regiões, a América Latina foi a única em que não houve queda da confiança (medida pela perspectiva dos empresários da região de aumento do faturamento em 2013) de 2012 para 2013, quando o índice atingiu 53%.

“A economia mundial parece relutante em se recuperar”, disse Nally, sintetizando a mensagem da pesquisa. Isso, para ele, explica por que “a confiança de curto prazo dos executivos está numa montanha-russa”.

Os países com maior nível de confiança empresarial de curto prazo (de empresas no próprio país) na pesquisa de 2013 foram a Rússia, com 66%, a Índia, com 63%, e o México, com 62%. O Brasil ficou com 44%, de 42% na pesquisa de 2012. A China, cuja economia cresce velozmente, mas está desacelerando (a previsão da PwC é de média de 7,3% nos próximos três anos), ficou com 40% no índice de confiança.

A pesquisa da PwC mostra que a principal preocupação dos executivos é com o crescimento econômico, mas no alto da lista consta também o papel dos governos, com muitas reclamações sobre excesso de regulação e de impostos e sobre a situação da dívida pública nos países ricos.

Outras preocupações, segundo Nally, são a carência de profissionais capacitados e o corte de custos. Segundo ele, 80% dos executivos reportaram ter dado passos para cortar custos nos últimos 12 meses e pensam em fazer o mesmo em 2013. Em termos de contratação, 45% pensam em aumentar o pessoal em 2013 (ante 51% na pesquisa de 2012), e 23% disseram que farão cortes. Os setores mais propensos a contratar são serviços empresariais, engenharia e construção, varejo e saúde, e os mais propensos a cortar são sistema bancário, metalurgia e papel.

Outras prioridades dos executivos foram o foco no cliente e investimentos em tecnologia. Há também preocupação com as tensões sociais, o que Nally associa às altas taxas de desemprego de jovens em vários países.

Fonte:http:// www. estadao. com. br /noticias /impresso,executivos-veem-brasil-como-3-em-importancia-,987628,0.htm

%d blogueiros gostam disto: