Arquivos do Blog

NOVAS TECNOLOGIAS ENTRAM NO CORPO HUMANO

Às vezes, o avanço das tecnologias me assustam, mas enquanto a evolução ficar restrita ao corpo vou tentando suportar os receios, Acredito que o homem poderá inventar, clonar, coisificar, porém, a alma somente a Deus compete dar. Pensando assim fortaleço a minha Fé de que a criatura jamais deixará de ser criatura. Amém!

Saindo da minha consideração vamos ler a matéria que de fato auxiliará no campo da medicina e minimizará os sofrimentos das pessoas.

Djanira Felipe de Oliveira – Mulher que escreve. Mulher que faz.  E sabe o porquê.

Entre as inovações, destacam-se órgãos artificiais, câmeras em miniatura e impressoras 3D

 

size_590_pancreas-artificial

Mulher usa protótipo de pâncreas bio-artificial, em Estrasburgo, França

 

Paris – Uma câmera em miniatura engolida como se fosse um comprimido, um micro circuito fixado no olho, um pâncreas artificial: as tecnologias de vanguarda invadem o corpo humano para diagnosticar, tratar e curar.

A seguir, alguns objetos técnicos futuristas da medicina atual:

Câmera na pílula

Como no filme americano dos anos 1960 “Viagem Fantástica”, no qual um submarino em miniatura e sua tripulação viajam pelo corpo humano, a “vídeo-cápsula” é uma câmera fotográfica em miniatura do tamanho de uma pílula. O objetivo é explorar o trato digestivo, por exemplo, em casos se hemorragias sem explicação.

Esta cápsula, utilizada uma única vez, capta mais de 50.000 fotos em sua viagem interior, até ser expelida por vias naturais.

 A vantagem com relação à endoscopia é que não precisa de anestesia. Recomenda-se ao paciente caminhar durante o exame para facilitar a progressão da cápsula. As fotos são captadas à medida que o dispositivo avança, mediante captores e uma caixa portátil perto do corpo.

“A cápsula funciona bem e vários estudos demonstram sua boa sensibilidade para detectar pólipos”, pequenos tumores que podem provocar câncer, explicou o médico Jean-Christophe Saurin, do hospital Edouard Herriot, em Lyon. Mas um dos principais inconvenientes, segundo o gastroenterologista, é o preço: € 600, cerca de R$ 1.800.

Eletrodos na retina

Para curar a retinose pigmentar, uma doença hereditária degenerativa que causa cegueira aos 40 anos, uma solução de alta tecnologia, “o alto biônico”, está sendo implementada nos Estados Unidos e na Europa.

A ideia é simular artificialmente o olho com eletrodos colocados sobre a retina deficiente para recriar a visão. Mais de cem pacientes já receberam “retinas artificiais”.

“Se tivessem nos falado disto há dez anos, teríamos dito que é ficção científica. Hoje é uma realidade”, comentou Gérard Dupeyron, chefe do serviço de oftalmologia do hospital de Nîmes (sul da França). Um olho biônico custa em torno de € 100.000, cerca de R$ 300.000.

Pâncreas artificial

Em muitos casos de diabetes, as injeções já são coisa do passado. A bomba de insulina, que tem a forma de uma discreta caixinha levada na cintura, revolucionou a vida de inúmeros pacientes.

“As bombas são sistemas de injeção destinados a simular o funcionamento normal do pâncreas”, explicou o especialista em diabetes Leon Perlemuter no portal da liga de diabéticos da França.

Um dispositivo eletrônico, dotado de uma reserva de insulina e de um sistema de injeção ligado ao corpo por um cateter e uma pequena agulha, permite liberar continuamente a dose de insulina adequada.

“Para nós, diabéticos, é algo fantástico”, afirma Isabelle Blackie, em vídeo difundido pela Federação Francesa de Diabéticos (FFD).

A última etapa seria um aparelho autônomo e invisível implantado no abdômen.

Impressão em 3D de tecidos vivos

Aplicar o princípio das impressoras 3D aos tecidos vivos é o Graal buscado atualmente por vários laboratórios no mundo.

O objetivo é, mediante a superposição de finas camadas de células, reproduzir tecidos como cartilagem e órgãos inteiros para enxertá-los.

Vários avanços neste sentido foram alcançados em Estados Unidos, China e Grã-Bretanha.

No laboratório Biomateriais e Reparação de Tecidos da Universidade Victor Segalen, de Bordeaux (sudoeste da França), o pesquisador Fabien Guillemot trabalha na recriação de tecidos usando técnicas de impressão a laser.

“A ideia é reconstruir, diretamente in situ, dentro do corpo humano, o tecido de um órgão afetado, imprimindo diretamente os elementos biológicos”, explica.

 

Este avanço traz questões éticas. “Pode-se imaginar a utilização destas tecnologias (…) para fabricar tecidos artificiais, cujo desempenho será superior ao dos tecidos e órgãos atuais, o que não é necessariamente desejável”, acrescenta Guillemot.

http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/novas-tecnologias-entram-no-corpo-humano

 

 

Anúncios

MÉDICOS DO RIO FAZEM PARALISAÇÃO E DEIXAM 180 MIL SEGURADOS DE PLANOS SEM COBERTURA

Médicos da rede privada de saúde do Rio de Janeiro deram início ao movimento nacional de não atendimento a clientes, que vai deixar cerca de 180 mil segurados sem cobertura. A paralisação vai até dia 30 deste mês, prejudicando clientes das operadoras CAC, FioSaúde e Geap. A decisão foi tomada em assembleia realizada na última quarta-feira (10) pelo Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro).

De acordo com a presidenta da Cremerj, Márcia Rosa de Araujo, foram feitas negociações com mais de 20 operadoras. Na última assembleia do conselho, os médicos aceitaram a proposta de 17 delas, mas três ofereceram propostas insuficientes. Segundo Márcia, não houve reajustes satisfatórios para os procedimentos e as consultas ainda estão abaixo do que a maioria das outras operadoras propôs.

A categoria decidiu que será cobrado uma valor de R$ 60 por consulta e o médico deverá fornecer um recibo para reembolso do pagamento. A presidente informou que o conselho pretende até o próximo ano conseguir equiparar o valor ao que a AMS (Assistência Médica Supletiva), plano de saúde dos empregados, aposentados, pensionistas da Petrobras e seus dependentes, paga atualmente, que é R$ 100 por consulta.

“Como as três operadoras não ofereceram este valor [R$ 60], estamos cobrando direto dos clientes para que elas passem a pagar isso após as negociações. A partir do ano que vem, queremos a unificação das tabelas. Hoje temos sete ou oito tabelas diferentes. Como a nomenclatura dos procedimentos são unificados pela [ANS] Agência Nacional de Saúde Suplementar, estamos pedindo que todas as tabelas sejam iguais”, disse a presidenta.

Segundo Márcia, não é necessário que os valores sejam iguais, mas sim os códigos, para que não haja confusão por parte dos profissionais e de sua equipe. “Quando o médico cobra insuficientemente porque não conhece a tabela direito, ele acaba recebendo menos e a operadora não corrige isso”, explicou.

A presidenta disse ainda que as emergências serão atendidas normalmente. Segundo ela, “essa é uma suspensão de atendimento para que as operadoras fiquem alertas de que as nossas reivindicações continuam além desse período que estamos agora”.

Dentro de 15 dias a categoria irá se reunir em assembleia para decidir se a operadora Bradesco Saúde vai ter o atendimento suspenso por guia ou não. Nesse período, as negociações com a empresa serão mantidas. Caso não haja aumento no valor das consultas, os profissionais da rede poderão suspender o atendimento.

A ANS, responsável por regulamentar os planos de saúde do país, informou em nota que o atendimento à população não pode ser prejudicado e o acesso aos serviços contratados pelo beneficiário deve ser garantido pela operadora. Está proibida a cobrança de valores adicionais por consulta ou qualquer outro serviço que faça parte da cobertura obrigatória do plano.

Segundo a ANS, os serviços de urgência e emergência devem ser garantidos aos segurados. Os clientes que se sentirem lesados podem entrar em contato com os canais de atendimento da agência, por meio do Disque ANS (0800 701 9656) ou pela Central de Atendimento ao Consumidor, no portal http://www.ans.gov.br . Além disso, o consumidor poderá visitar um dos 12 núcleos distribuídos pelo país. Os endereços estão disponíveis no site da agência.

 Fonte: http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2012/10/16/medicos-do-rio-fazem-paralisacao-e-deixam-180-mil-beneficiarios-de-planos-de-saude-sem-cobertura.htm

PLANO DE SAÚDE DEVE INFORMAR A CADA CLIENTE O DESCREDENCIAMENTO DE MÉDICOS E HOSPITAIS

GENTE! A NOSSA INTENÇÃO É A DE LEVAR ESCLARECIMENTOS E MATÉRIAS QUE SEJAM DO INTERESSE DA SOCIEDADE.  SAÚDE NÃO É BRINCADEIRA.

O POVO DEVE CONHECER OS SEUS DIREITOS E FAZER VALER!

Djanira Felipe – Mulher que escreve . Mulher que faz.

Operadoras de planos de saúde têm a obrigação de informar individualmente a seus segurados o descredenciamento de médicos e hospitais. O entendimento é da 3ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ao julgar recurso interposto pela família de um paciente cardíaco que, ao buscar atendimento de emergência, foi surpreendido pela informação de que o hospital não era mais conveniado.

Na ação de indenização, a família narrou que levaram o parente a hospital no qual ele já havia sido atendido anteriormente. Entretanto, a associação havia descredenciado o hospital sem aviso prévio individualizado aos segurados. O doente e sua família foram obrigados a arcar com todas as despesas de internação, que superaram R$ 14 mil, e ele faleceu quatro dias depois.

Na primeira instância, a associação foi condenada ao pagamento de indenização por danos materiais, com base no artigo 6º do CDC (Código de Defesa do Consumidor). O artigo obriga as empresas a prestarem informações adequadas aos consumidores sobre seus produtos e serviços.

O julgado foi reformado pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), que entendeu que o descredenciamento do hospital foi tornado público pela seguradora e que não era necessário demonstrar a ciência específica do segurado que faleceu.

No recurso ao STJ, a família do segurado alegou ofensa a diversos artigos do CDC, como falta de adequada informação ao segurado. Apontou que o código reconhece a vulnerabilidade do consumidor nas relações de consumo e que a administração pública deve tomar medidas para proteger sua dignidade, segurança e saúde.

Também destacou que os fornecedores respondem independentemente de culpa no caso de danos causados aos consumidores pelos defeitos na prestação dos serviços.

Obrigação de informar

A ministra Nancy Andrighi esclareceu que o recurso não trata do direito das operadoras de plano de saúde a alterar sua rede conveniada, mas da forma como a operadora descredenciou o atendimento emergencial no hospital e o procedimento adotado para comunicar o fato aos associados.

A ministra observou no processo que a família recorrente não foi individualmente informada acerca do descredenciamento. Ela lembrou que o CDC, no artigo 6º, obriga as empresas a prestar informações de modo adequado; e o no artigo 46 estabelece que o contrato não obriga o consumidor se ele não tiver a chance de tomar prévio conhecimento de seu conteúdo.

“No que tange especificamente às operadoras de plano de saúde, o STJ já decidiu estarem elas obrigadas ao cumprimento de uma boa-fé qualificada, ou seja, uma boa-fé que pressupõe os deveres de informação”, salientou a ministra Nancy Andrighi.

A relatora ressaltou também que a rede conveniada é um fator primordial para a decisão do consumidor ao contratar a operadora e a ela permanecer vinculado. “Se, por um lado, nada impede que a operadora altere a rede conveniada, cabe a ela, por outro, manter seus associados devidamente atualizados sobre essas mudanças, a fim de que eles possam avaliar se, a partir da nova cobertura oferecida, mantêm interesse no plano de saúde”, concluiu.

Por fim, afirmou que a jurisprudência do STJ assentou que a informação adequada deve ser “completa, gratuita e útil”, e isso não ocorreu no caso.

Com grifos da Equipe Panorrama Rio

Fonte: Última Instância – 21/05/2012

%d blogueiros gostam disto: