Arquivos do Blog

INÍCIO DO OUTONO

download (1)

O Outono inicia hoje às 19h45 .

Sendo uma estação de transição entre o verão e inverno, verificam-se características de ambas, ou seja, mudanças rápidas nas condições de tempo, maior freqüência de nevoeiros e registros de geadas em locais serranos das Regiões Sudeste e Sul.

Nota-se uma redução das chuvas em grande parte do País, com o registro dos maiores totais de chuva, superiores a 700 mm, no extremo norte das Regiões Norte e Nordeste e no leste do Nordeste, onde se inicia o período mais chuvoso. No restante do País, predominam totais de chuva entre 150 mm e 400 mm.

Nas Regiões Sul, Sudeste e parte da Região Centro-Oeste do Brasil, as temperaturas tornam-se mais amenas devido à entrada de massas de ar frio, com temperaturas mínimas que variam entre 12ºC a 18ºC, chegando a valores inferiores a 10ºC nas regiões serranas. Nestas mesmas áreas, as temperaturas máximas oscilam entre 18ºC e 28ºC. Nas Regiões Norte e Nordeste, as temperaturas são mais homogêneas: a mínima variando em torno de 22ºC, e a máxima variando entre 30ºC e 32ºC.

 

FONTE: clima1 . cptec . inpe . br / estacoes /

Anúncios

PREÇO DOS IMÓVEIS SOBE MAIS QUE O DOBRO DA INFLAÇÃO NO ANO

mi_25151696148881652

O preço médio do metro quadrado subiu mais que o dobro da inflação no ano, segundo pesquisa elaborada pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisa Econômica) e pela Zap Imóveis.

Enquanto o preço dos imóveis à venda acumulam alta de 7,3% em 2013, a variação para do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) é de 3,2% para o período.

Nas 16 cidades com preços monitorados, Curitiba (PR) teve a maior alta no mês (3,7%), impulsionada pelos bairros de Água Verde e Bigorrilho. Por outro lado, Belo Horizonte (MG) foi a única cidade a registrar queda no preço médio do m², com variação negativa de 2,4%.

Em 12 meses, o mercado de Curitiba se mostrou o mais aquecido com aumento acumulado de 19,6%, seguido pelo Rio de Janeiro, com alta de 15,4%, Niterói (RJ), subida de 14,0%, São Paulo, que registrou variação positiva de 13,9%, e Porto Alegre (RS), aumento de 13,3%.

Os valores médios do m² em julho variaram de R$ 9.424, para o Rio de Janeiro, até R$ 3.646, em Vila Velha (ES). Em São Paulo, o m² ficou em R$ 7.361.

Entre as 16 cidades pesquisadas pelo indicador, a média se situou em R$ 6.900.

O Índice FipeZap, desenvolvido em conjunto pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e pelo portal ZAP Imóveis, acompanha o preço médio do m2 de apartamentos prontos em 16 municípios brasileiros com base em anúncios da internet.

PREÇO MÉDIO DO METRO QUADRADO

Cidade Preço (em R$)
Rio de Janeiro (RJ) 9.424
Brasília (DF) 8.437
São Paulo (SP) 7.361
Niterói (RJ) 6.837
Recife (PE) 5.497
Fortaleza (CE) 5.108
Belo Horizonte (MG) 5.037
São Caetano do Sul (SP) 4.940
Florianópolis (SC) 4.746
Porto Alegre (RS) 4.542
Curitiba (PR) 4.374
Santo André (SP) 4.347
Salvador (BA) 4.267
Vitória (ES) 4.234
São Bernardo do Campo (SP) 4.116
Vila Velha (ES) 3.646
Média 6.900

Fonte: Fipe/Zap Imóveis e http: // economia. uol. com. br /noticias /redacao /2013 /08 /02 /preco-dos-imoveis-sobem-mais-que-o-dobro-da-inflacao-no-ano.htm

QUANTA COMIDA O MUNDO JOGA FORA POR ANO ?


infografico-desperdicio-alimentos-mundo

Fonte: http:// exame .abril .com. br /meio-ambiente-e-energia /noticias /quanta-comida-o-mundo-joga-fora-por-ano

GOVERNO PRORROGA POR UM ANO INÍCIO DE SANÇÕES DE LEI DA NOTA FISCAL

nf (1)

O governo federal oficializou nesta quinta-feira (13), a prorrogação, por um ano, da vigência das sanções e penalidades previstas na lei que determina o detalhamento dos tributos na nota fiscal.

A decisão de ampliar por um ano o início das sanções havia sido anunciada na última segunda-feira (10) pela Casa Civil da Presidência da República,quando a nova lei entrou em vigor.

A ampliação do prazo consta na Medida Provisória 620, que trata da linha de crédito para compra de móveis e eletrodomésticos, no valor de até R$ 5 mil e juros menores (5% ao ano), para beneficiários do programa Minha Casa Minha Vida.

Como foi implementada por meio de Medida Provisória, a prorrogação do prazo tem força de lei e já está em vigor. Porém, ainda tem de passar pelo crivo do Congresso Nacional. Na prática, a medida adia a obrigatoriedade de informar os tributos na nota fiscal, uma vez que as empresas não poderão sofrer sanções no caso de descumprimento.

Demandas recebidas
Segundo o governo federal, a prorrogação se deve a “várias demandas recebidas para determinação de tempo de adaptação à lei 12.741 e considerando sua complexidade”.

Nesse período, acrescentou a Casa Civil, o poder público promoverá “orientações educativas a respeito do conteúdo da matéria”. “A Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República coordenará o processo de elaboração da proposta de regulamentação da Lei e sua fiscalização”, acrescentou o governo.

Fiscalização ‘orientativa’
O ministro interino da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Nelson Hervey, informou aoG1 que a fiscalização, nos próximos meses, será “orientativa”. “Não há punição”, declarou ele na última segunda-feira (10).

De acordo com Hervey, mais de 95% das pessoas jurídicas do país são classificadas como micro e pequenas empresas, as que teriam mais dificuldade em informar os tributos embutidos em cada produto e serviço. “Temos um complexo sistema tributário. Vamos fazer um debate com a sociedade civil e achar um caminho melhor para todos [na implementação da lei]”, declarou ele.

Lojistas pediram mais tempo
Como a lei não foi regulamentada pelo governo nos últimos seis meses, os lojistas avaliam que a ausência de explicações mais claras deixou dúvidas, principalmente nos pequenos empresários.

“Ninguém sabe direito como fazer, principalmente as PMEs [pequenas e médias empresas]. As empresas de ‘software’ não sabem como calcular isso. Eles [governo] precisavam lançar uma tabela aproximada com o perfil do produto para a gente poder destacar”, disse o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Junior.

Por conta da demora na publicação na regulamentação da lei, Pellizzaro informou que protocolou, junto com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e outras associações, como a Fecomércio de São Paulo, um pedido de prorrogação da entrada em vigor do detalhamento dos tributos na nota fiscal.

“Para que haja tempo de ser normatizado e para as empresas conseguirem fazer. Os pequenos comerciantes, por exemplo, estão enquadrados no Simples [sistema que unifica a cobrança dos tributos] e não têm ideia de quanto custa seu produto na cadeia. Fica muito difícil por em prática essa legislação”, declarou o presidente da CNDL.

O Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), em parceria com a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e com a Associação Brasileira de Automação Comercial (Afrac),  informou que está fornecendo uma tabela com o valor médio aproximado dos impostos em cada produto ou serviço comercializados no Brasil para ajudar os comerciantes e prestadores de serviços.

Sistema tributário complexo
O gerente fiscal da Confirp Consultoria Contábil, Marcos Gomes, observa que o sistema tributário brasileiro é de difícil compreensão. “Com a complexidade do sistema tributário brasileiro, haverá dificuldade para empresas fornecerem estas informações, principalmente as que não possuem um sistema de ERP que englobe a tributação de cada produto”, disse.

Ele avaliou que o sistema tributário brasileiro é “bastante complicado” e que cada produto tem particularidades no recolhimento dos tributos (dependendo do regime de apuração adotado pela empresa), o que faz com que a adaptação não seja tão simples. “Mas, ainda temos que esperar que a regulamentação seja feita para que tudo fique esclarecido”, acrescentou o gerente da Confirp.

Supermercados
G1 entrou em contato com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), mas recebeu uma resposta somente da rede Carrefour, que informou estar preparada para começar a informar para os clientes o peso dos tributos nos produtos vendidos nas notas fiscais. Nas gôndolas, essa informação passará a ser divulgada “gradativamente ao longo do mês”.

“O Grupo Carrefour Brasil passará a informar a soma de até sete impostos federais e estaduais: IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), PIS/Pasep, Cofins, Cide (Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico)e ISS (Imposto sobre Serviços). A soma será identificada no documento como Valor de Tributos, logo abaixo ao total da compra”, informou, por meio de comunicado.

Objetivo da medida
O objetivo da medida é dar transparência para o consumidor sobre a carga tributária incidente sobre as mercadorias, segundo o governo. A nota fiscal deverá conter a informação do “valor aproximado” correspondente à totalidade dos tributos federais, estaduais e municipais. Deverão estar discriminados os valores dos seguintes impostos: ICMS, ISS, IPI, IOF, PIS, Pasep, Cofins e Cide.

A nova lei determina que a informação sobre os tributos incidentes poderá constar de painel afixado em local visível do estabelecimento, ou por qualquer outro meio eletrônico ou impresso, de forma a demonstrar o “valor ou percentual, ambos aproximados”, dos tributos incidentes sobre todas as mercadorias ou serviços postos à venda. Diz também que, sobre os serviços de natureza financeira, quando não prevista a emissão de nota fiscal, os tributos deverão constar também em tabelas afixadas nos estabelecimento.

Fonte:  http :  // g1 .globo. com / economia / seu-dinheiro / noticia /2013 /06 / governo- prorroga- por- um-ano- inicio-de-sancoes-de-lei-da-nota-fiscal.html

PATRÃO VAI GASTAR MAIS DE R$ 7.000 POR ANO COM NOVA LEI DAS DOMÉSTICAS

domestica

A nova Lei dos Empregados Domésticos, aprovada ontem em 1º turno pelo Senado, vai representar um gasto extra de mais de R$ 7.000 ao ano ao patrão, alertam especialistas. No quadro abaixo, compare simulação envolvendo todos os custos, antes e depois da medida.

Além das empregadas do lar, a regra também valerá para outros profissionais da categoria, como babás, motoristas, jardineiros, caseiros, entre outros. O patrão terá que colocar a mão no bolso imediatamente já que a regra também será revertida aos funcionários já contratados e não apenas para novos contratos.

De acordo com Silvinei Cordeiro Toffanin, diretor da empresa Direto Contabilidade, Gestão e Consultoria, um patrão que gasta R$ 1.471,78 por mês, considerando duas horas extras por dia, terá um gasto de R$ 2.071,49.

Isso porque, com o novo texto, passa a ser obrigatório, por exemplo, o pagamento do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) por parte do empregador. Hoje o recolhimento deste valor é opcional.

Além disso, empregadas domésticas terão direito também à jornada máxima de 44 horas semanais (ou oito horas diárias), com pagamento de horas extras para quem trabalhar mais que isso e ainda adicional noturno.

A advogada Viviane de Souza Costa, do grupo Personality Consultoria Empresarial, afirma que as eventuais horas extras devem pesar mais no bolso do patrão.

— Não está claro na PEC como será feito o controle da jornada de trabalho. E, fatalmente, os empregados domésticos trabalharão mais de oito horas por dia.

A advogada Aparecida Tokumi Hashimoto, do escritório Granadeiro Guimarães Advogados, lembra que vários benefícios precisarão passar por regulamentação antes de entrar em vigor.

Regulamentação

De acordo com a senadora Lídice da Mata (PSB-BA), sete itens precisam de regulamentação após aprovação no Senado: indenização por demissão sem justa causa, o pagamento de FGTS, adicional noturno, obrigação de auxílio-creche e pré-escola, seguro desemprego, salário-família e seguro contra acidentes de trabalho.

Os três últimos itens, segundo o advogado Alexandre de Almeida Gonçalves, especialista em direito empresarial e concorrencial, devem criar gastos para o governo. O auxílio-creche, por sua vez, só deverá ser pago por empregadores que possuem mais de 30 funcionários, o que é muito raro.

— Muito se falou que os gastos seriam enormes para o empregador e que poderiam acabar em uma demissão em massa, mas eu acredito que o impacto financeiro é pequeno para alguém que decidiu por ter este serviço e já paga seus R$ 1.000 mensais.

O especialista e colaborador da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças), Antônio Vicente da Graça, acredita que em alguns Estados, no entanto, pode haver demissões porque o aumento será maior e vai impactar mais no bolso dos patrões.

É o caso de São Paulo, por exemplo, onde o salário mínimo é maior e o valor pago por mês para as empregadas é maior que o salário mínimo.

— O impacto inicial é somente o FGTS, mas esses cálculos variam de Estado para Estado. Para um salário de R$ 1.100, R$ 1.200, como é o caso de São Paulo, e uma demanda crescente, esse impacto pode chegar a 10%, 11%, o que pode apertar o orçamento de algumas famílias e acabar em demissões.

Custos do trabalhador doméstico para o empregador

(valor pode aumentar em mais de R$ 7.000 em um ano)

Untitled-3 copy

* Considerando o transporte ida e volta a R$ 6,00 por dia na cidade de SP
** 20% do salário. Não deduzimos a parte do empregado, pois é costume o patrão absorver o custo total
*** Valor já considerando as horas extras

Fonte: http: // noticias. r7. com /economia /noticias /patrao -vai-gastar -mais-de-r-7-000-por-ano-com-nova-lei-das-domesticas-20130320.html?question=0

PRAZO PARA ENTREGA DAS DECLARAÇÕES DO IR DESTE ANO COMEÇA NO DIA 1º DE MARÇO

restituicao_imposto_de_renda

Rio –  É chegada a hora de pegar a calculadora e abrir a gaveta de documentos para encarar o Leão. A partir do dia 1º de março, a Receita Federal passa a receber as declarações do Imposto de Renda 2013, que segue o modelo do ano passado acrescido de alguns pequenos ajustes, segundo as regras divulgadas pelo Fisco.

image

Adir lamentou diminuição de instituições,
mas admitiu atualização | Foto: ABr

Mesmo sem alterações significativas, a declaração anual exige cuidados e atenção redobrada para o contribuinte não cair na chamada malha fina, além de se preparar para as novidades do próximo ano, alertam os especialistas.
“É preciso ter atenção redobrada, principalmente os contribuintes que optam pelo modelo simplificado. Em 2014, o preenchimento da declaração simplificada será gerado automaticamente com base justamente no ano atual para aqueles que têm apenas uma fonte de renda”, explica Márcia Tavares, presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Rio.

Hierarquia
Neste ano, no entanto, a orientação na hora de preencher manualmente o formulário deve seguir a cartilha hierárquica. “Comece pelos rendimentos, como salários, 13º e férias, depois passe para as despesas de aluguel seguida dos informes bancários, rendimento de dependentes, outros rendimentos tributáveis, além de convênios e despesas médicas. Faça uma hierarquia, coloque tudo em ordem que ficará mais fácil”, ensina.
Com dez dias até o início da abertura do prazo de entrega, que vai até o dia 30 de abril, a dica é aproveitar o tempo para evitar erros. “O ideal é não deixar para última hora, pois, em caso de erro, você pode não ter tempo de corrigi-lo”, acrescenta Waldeli Azevedo, consultora financeira do site Finanças Práticas.
E não se esqueça: deixe todos os documentos guardados por seis anos. Afinal, a Receita ainda pode exigir nova prestação de suas contas.

Doações para fundo vão render abatimento de 3%
O contribuinte interessado em fazer doações aos fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente poderá abater até 3% de seu imposto de renda, anunciou ontem Joaquim Adir, supervisor nacional do programa. No total, as doações não podem ultrapassar 6% do imposto devido.
Adir esclareceu ainda que somente as instituições cadastradas na Secretaria de Direitos Humanos vão figurar na declaração do IR, cujo número de entidades, em função da necessidade de cadastramento prévio, caiu de 900 em 2012 para apenas 200 neste ano. “Pode ter sido por falta de informação, mas podemos atualizar a lista até 15 de abril”, disse ele.

Aposentado deve ter um cuidado a mais
Reclamação recorrente entre os que já foram para a malha fina, o preenchimento do Imposto de Renda dos aposentados precisa de uma atenção especial, alerta Márcia Tavares.
“A maior parte dos casos de malha fina acontece em virtude de pequenos erros e falta de informação no preenchimento do formulário. Os aposentados têm dedução da aposentadoria, mas muitos recebem duas aposentadorias. Eles precisam declarar as duas, não apenas uma”, lembra.

Tira dúvidas  IRPF 2013

1. QUEM PRECISA DECLARAR?

Todos aqueles que tiveram rendimentos tributáveis em 2012 acima de R$ 24.556,65

Quem tem acima de R$ 40 mil em rendimentos isentos.

Quem investiu no mercado de ações ou tinha bens acima de R$ 300 mil em 2012.

2. QUAL O PRAZO?

Início: 1º de março — Término: 30 de abril

Quanto antes ocorrer a entrega da declaração, mais rápida será a restituição.

O contribuinte que não entregar sua declaração na data limite estará sujeito a uma multa de 1% ao mês sobre o total do imposto devido.

3. COMO FAZER A DECLARAÇÃO?

Assim, como nos anos anteriores, o contribuinte deve fazer o download do programa para preenchimento da declaração no site da Receita Federal (www.receita.fazenda.org.br). O envio é feito por meio da internet ou entrega de disquete nas agências do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal.

No programa da Receita, o contribuinte escolhe entre a declaração simplificada e a completa. A partir do próximo ano, o Leão promete facilitar a vida dos contribuintes que utilizam o formulário simplifi cado (que será preenchido automaticamente pelo Fisco).

No simplificado é aplicado o desconto padrão de 20% (independente dos gastos com saúde e educa ção, valores dedutíveis). O limite desse desconto de 20% é de R$ 14.542,60. Na completa o desconto com educação é de R$ 3.091,35; com dependentes (R$ 1.974,72) e com INSS da empregada doméstica de R$ 985,96.

4. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

Cópia da declaração entregue em 2012, informes de rendimentos fornecidos por instituições bancárias, além do anuário salarial, distribuição de lucros, aposentadorias, etc..

Recibos e notas fiscais relativos a despesas com saúde.

Recibos de aluguéis pagos ou recebidos.

Comprovantes de compra ou venda de bens.

Recibos de pagamentos de prestação de bens como imóvel e carro.

Documentos que comprovem dívidas assumidas no ano passado.

Darfs de carnê-leão pagos.

Fonte: http:// odia.ig.com.br /portal /economia /prazo-para-entrega-das-declara %C3%A7%C3%B5es-do-ir-deste-ano-come%C3%A7a-no-dia-1%C2%BA-de-mar%C3%A7o-1.551026

%d blogueiros gostam disto: