Arquivo da categoria: Ciências Sociais

O POETA E O HOMEM

O POETA E O HOMEM
Por Djanira Felipe

Ser poeta é ter a capacidade de transcender os limites dos sentidos limitados e contemplar o mundo pelo olhar da alma.

O poeta que segura o livro parece abrigar com serenidade o homem desvalido, possivelmente do amparo familiar e da corporação social, cansado das provas da vida ou simplesmente um homem que precisa de colo.
O livro, o homem, ambos têm histórias que os poetas sabem perceber e contar muito bem. Há casos nos quais os autores acabam sendo transformados em personagens, ainda que seja independentemente da sua vontade. O poeta Carlos Drummond de Andrade escreveu: “Tinha uma pedra no meio do caminho no meio do caminho tinha uma pedra…” se o poeta olhasse a imagem que inspira este texto poderia por metáfora igualmente dizer: − Há um homem no colo de um poeta no colo de um poeta há um homem. Talvez Drummond dissesse isto porque o homem passa a ser o objeto da exterioridade comportamental da sociedade.
Um homem no colo do poeta, um homem que necessita de atenção, de um amigo, de um abrigo. No silêncio barulhento da Orla de Copacabana, os pensamentos e os olhares se fazem entender, enquanto as dores contidas são representadas num simples pedido de socorro, na segunda maior cidade do Brasil.
Nem se faz necessário encontrar-se lá para saber que os transeuntes são indiferentes a situação, salvo para fotografar como mero registro de um passeio no calçadão de Copacabana. Mas, e a face oculta? Os sentimentos? O calor humano que se faz representado pelo metal frio da estátua do poeta que pelo que aparenta é mais humano do que os humanos.
É inexplicável a sensação de entrega que a imagem passa para um bom observador. Um grito silencioso! Um pedido de assistência! Um colo para descansar simplesmente.

No colo do poeta o homem descansa. O homem descansa no colo do poeta.
O poeta acolhe o homem que a sociedade insiste em rejeitar.

Como pano de fundo o céu e o mar que complementam o cenário com toda a magia da poesia que existe desde a imagem até a leitura de cada olhar. Difícil avaliar o quanto há de vida real e arte nesta imagem de autoria anônima foto que é nada mais do que o retrato de uma realidade nua e crua, resultado de um sistema cruel aos menos favorecidos e também Filhos de Deus. Acorda Brasil!

Anúncios

ENSINO MÉDIO

Ensino Médio

Caminhando para baixo, porém, de forma extraordinária e corajosa.

Por Djanira Felipe

downloadQue bom ler a temática da página 18 do Jornal O POVO, hoje 17/2/2017, e repito: Jornal O POVO que acredito ser direcionado para o Povo de um povoado de uma aldeia, arraial ou ainda de uma povoação e por que não dizer qualquer lugar do Norte ao Sul do Brasil que é povoado por milhões de pessoas que merecem respeito e que fazem parte da sociedade. Será que o povo participou do consenso entre o governo e o congresso para a sansão dessa Lei que aniquila o Ensino Médio?

Perceberam alguns sinônimos? Então vamos separar POVO e AÇÃO e imaginar o POVO EM AÇÃO. Em ação contra o que o Presidente Michel Temer avalia como exemplo extraordinário das características de uma gestão “corajosa”. Pensando bem ele tem razão porque é preciso ter coragem para contribuir e incitar à motivação que é motivo para ação de NÃO estudar disciplinas opcionais que são: Linguagem, Matemática, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Ensino Profissional. Cheguei ao ponto. Imaginem um profissional que não adquiriu conhecimento básico necessário para a sua ascensão como ser humano.

Quero ser breve para não atender a intensidade da minha indignação. Vamos raciocinar juntos e pegar Ciências Humanas que não precisamos ser gênios para imaginar que se trata de uma área do conhecimento referente ao estudo do homem como ser social – viver em sociedade, interagir com outras pessoas manter relações humanas.

Por mencionar Relações Humanas, vale ressaltar, que o Estudo das Relações Humanas surgiu no final do século XIX com o intuito de corrigir a desumanização no setor pessoal das indústrias. Elton Mayo criou a Teoria das Relações Humanas, que teve origem na necessidade de democratizar e humanizar a administração; valendo-se de outras ciências sociais tais como psicologia, sociologia e antropologia. Permito-me acrescentar outras disciplinas que compõem essa modalidade do ensino como Filosofia, História, Geografia, Letras, Pedagogia, Administração, Direito, Relações Internacionais, comunicação e Ciência Política dentre outras.

Será desnecessário explicar cada uma, basta dizer que Administração é a ciência que estuda a gestão de pessoas, empresas públicas e privadas. Fiz essa viagem até o ensino superior porque estamos retrocedendo no ensino médio, ponto de partida para caminhar rumo à universidade.

Podemos acreditar que no processo como um todo se entrar lixo vai ser processado lixo e sair para a sociedade lixo como produto final. Mas poderíamos hoje comemorar a Lei do novo Ensino Médio como um ato extraordinário se tivessem tornado obrigatório o ensino que promovesse a entrada do indivíduo que fosse desenvolvido o seu talento e a sociedade cliente, recebesse profissionais preparados para serem senhores dos seus destinos e compositores das suas histórias.

Por que não ensinam Ciência Política? Por que não preparamos os futuros homens e mulheres com plena consciência política para cuidar do Brasil e dos interesses do povo. Imagina! Isto não interessa. Povo esclarecido cobra, questiona, discorda, ou seja, dizem mais do que amém. Acredito que a mensagem está dada, ainda que não tenham sido desdobradas as outras disciplinas, mas ficaram implícitos que certamente provocarão momentos de reflexões. O Brasil precisa acordar urgentemente.

Acorda Brasil! Um filho teu não foge à luta. Brasileiros! É hora de mudar o destino do País.

É com atitude que se muda qualquer realidade legítima ou não.

Sou Administradora e Adesguiana

Sou Brasileira!

Djanira Felipe – mulher que escreve, faz e sabe o porquê.

,

02 DE JULHO – DIA DO HOSPITAL

dia-do-hospital

O dia do hospital é comemorado em 02 de julho, data na qual foi fundada a Santa Casa de Misericórdia da cidade de Santos, um dos maiores hospitais do Brasil, no ano de 1945, pelo governo do presidente Getúlio Vargas.

O hospital público é um local que oferece serviços médicos gratuitos e obrigatórios, pois está determinado pela constituição do nosso país que a saúde é direito de todos e dever do Estado.

Os atendimentos podem variar entre consultas, curativos, exames, serviços laboratoriais, tratamentos, e outros.

Algumas unidades prestam serviços de pronto-socorro (atendimento imediato) para acidentados ou pessoas que estejam em crise, passando muito mal, com convulsões, cólicas renais, desmaios, dores fortes, etc. A eficiência dos médicos e outros profissionais deve ser de muita qualidade, pois a rotatividade de pacientes é bem grande. Existem ainda unidades que prestam serviços especializados, como pediatria, cardiologia, neurologia, maternidade, ortopedia, dentre outros.

Os hospitais particulares cobram caro pelos serviços prestados, e as pessoas acabam pagando planos de saúde que apresentam algumas limitações, ficando a desejar na hora de prestar os atendimentos. Muitas pessoas não são atendidas conforme suas necessidades, gerando desconforto e problemas a serem resolvidos. Para que isso não aconteça é importante buscar informações sobre o contrato de prestação de serviços e a capacidade da empresa contratada, a fim de obter detalhes para os atendimentos e serviços oferecidos.

Um hospital não pode ser implantado em qualquer local, pelo contrário, suas instalações devem ser adequadas, amplas e arejadas, necessitando de estrutura física e humana adequada, com enfermarias, leitos próprios, farmácia interna, lavanderia, cozinha e restaurante, capela, além de um sistema de limpeza adequado para se fazer a desinfecção do local, evitando as infecções hospitalares.

O primeiro hospital do Brasil foi fundado por Braz Cubas, no dia primeiro de janeiro de 1545. Como este dia é conhecido por ser o dia de todos os santos, o hospital recebeu o nome de Hospital de Todos os Santos. A cidade de Santos, em São Paulo, recebeu esse nome por causa do hospital.

Registros históricos mostram que o primeiro hospital do mundo foi construído na Índia, entre os anos 273 e 232 a.C. Mas somente entre os séculos XVIII e XIX que passaram a ser de responsabilidade do governo.

O Hospital das Clínicas, da faculdade de medicina da Universidade de São Paulo, é a maior unidade hospitalar do Brasil, tendo sido fundado em 19 de abril de 1944. Mas a unidade mais bem equipada do país é da rede privada, o Hospital Israelita Albert Einstein, também em São Paulo, tendo sido preparado para receber pacientes vítimas de acidentes nucleares ou de guerras químicas em pronto-socorro.

Fonte: www . brasilescola . com/datas-comemorativas/dia-do-hospital . htm

GUIA SOBRE O PARQUE NACIONAL DA TIJUCA É NOVA FERRAMENTA PARA ENSINO

ENSINO – EDUCAÇÃO

SENSACIONAL ESTA MATÉRIA! A QUALIDADE SURGE COMO UMA LUZ, NA ÁREA DA EDUCAÇÃO, O ENSINO EM CAMPO, O VALOR AGREGADO. VAMOS PROBLEMATIZAR E AUXILIAR AOS ALUNOS NAS ESTRATÉGIAS ATÉ A SOLUÇÃO.  PARABÉNS AOS IDEALIZADORES E AUTORES PELA INICIATIVA. DE CADA  PONTO QUE APARECER IDEIAS E AÇÕES QUE FAÇAM DA NOSSA EDUCAÇÃO ALGO MELHOR,  SERÁ O SINAL DE VERDADE DE QUE ESTAMOS NO CAMINHO CERTO, PORQUE O PRIMEIRO PASSO CERTO, NESTE CASO, JÁ FOI DADO.

DJANIRA FELIPE DE OLIVEIRA – MULHER QUE ESCREVE. MULHER QUE FAZ. E SABE POR QUÊ.                                  

O Parque Nacional da Tijuca possui 3.953 hectares e é visitado anualmente por cerca de dois milhões de pessoas.

                                      Foto: Thiago Haussig 

floresta

Danielle Kiffer  

Ele tem 3.953 hectares de área,o equivalente a 3,5% da área municípiodo Rio de Janeiro; é visitado, anualmente, por cerca de dois milhões de pessoas, entre cariocas, turistas estrangeiros e de outros estados; abriga um dos pontos turísticos mais notórios da cidade: o Cristo Redentor. Estamos falando do Parque Nacional da Tijuca, um pequeno fragmento da Mata Atlântica, em pleno centro urbano, que agrega em sua extensão grande biodiversidade de fauna e flora, além de ser riquíssimo em fatos históricos e arte. Aproveitando essa multidisciplinaridade natural, Andréa Espínola de Siqueira, professora do Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes (Ibrag) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), desenvolveu – com mais 12 professores e pesquisadores dos mais diversos campos de estudo, desde biologia, geografia, história a artes, de várias universidades – o Guia de Campo do Parque Nacional da Tijuca, livro eletrônico que traz uma espécie de roteiro, voltado principalmente a professores e estudantes da educação básica. Nele, o Parque Nacional da Tijuca passa a ser um local para aulas externas, em que podem ser observados e abordados vários pontos importantes. Para sua criação, o guia recebeu subsídios do programa de Apoio ao Material Didático para ensino e pesquisa, da FAPERJ. “Apesar de ser o menor do Brasil, como se trata de um local ímpar, reduto de patrimônio histórico e cultural, o Parque Nacional da Tijuca é o mais visitado. Por isso, não queríamos que o guia parecesse um livro didático, mas que proporcionasse uma leitura leve, entretendo ao mesmo tempo em que informa”, afirma Andréa. O material pretende tirar o máximo de aproveitamento da visita ao parque, estimulando nos jovens a cidadania e o debate sobre questões socioambientais. “Acredito que se deve entrar na floresta como quem folheia as páginas de um livro. Os assuntos são muitos e as possibilidades, infinitas. Tomando-se como ponto de partida a Trilha dos Estudantes, ao entrarmos na floresta, um mundo novo se abre e os alunos podem ver e sentir na prática temas que, se abordados em sala de aula, poderiam parecer desinteressantes ou mesmo monótonos. Trata-se de um local rico, resultado de um processo que levou anos para se consolidar, a partir da iniciativa pioneira e visionária do imperador D. Pedro II”, comenta Lucio Meirelles Palma, coordenador de Monitoria Ambiental e do Voluntariado no Parque Nacional da Tijuca.

A relação entre a vegetação e a temperatura, o cheiro característico e a importância da mata são alguns dos temas abordados no guia, com notas para o professor destacar a seus alunos. Entre eles, a própria história da formação da floresta, que, no início do século XIX, estava devastada pela cafeicultura e pelas plantações de cana-de-açúcar e pela retirada da madeira para construção. As consequências desse desmatamento não tardaram, afetando os mananciais hídricos e prejudicando o abastecimento de água da cidade. Para reverter essa situação, o imperador D. Pedro II, em 1861, por meio do decreto imperial, mandou reflorestar as áreas das florestas da Tijuca e das Paineiras. Estima-se que ao longo de 13 anos tenham sido plantadas cerca de cem mil árvores, primeiramente por seis escravos – Eleutério, Constantino, Manuel, Mateus, Leopoldo e Maria –, e mais tarde com a ajuda de 22 trabalhadores assalariados.

Nesse contexto, há, por exemplo, um link para que os professores questionem os alunos sobre qual a relação entre desmatamento e a redução do volume de água dos rios da região no começo do século XIX. Os professores são instruídos a reforçar pontos específicos, como o fato que a mata protege os mananciais contra assoreamento, ou seja, que os rios sejam obstruídos por sedimentos ou detritos levados pelas chuvas.

Uma espécie de Rubiaceae, que pode ser vista na  trilha da floresta. O café faz parte dessa família

Foto: Ana Maria Donato

rubi1

Com espécies de grande interesse farmacológico, medicinal, ornamental e alimentício, a flora de Mata Atlântica que compõe a floresta é internacionalmente reconhecida como uma das mais ricas e diversificadas do planeta. Segundo a bióloga Ana Maria Donato, uma das autoras do guia e professora da UERJ, na Trilha dos Estudantes podem ser encontradas plantas bastantes presentes em nosso cotidiano, como algumas Rubiaceae, nome da família botânica da qual faz parte o popular café. E também diversas Bromeliaceae, família cujos representantes têm folhas alongadas e organizadas em roseta, formando um reservatório onde se acumula água da chuva em sua base. “O abacaxi pertence a essa família, além de numerosas espécies de grande valor ornamental, típicas da Mata Atlântica e em muitos casos encontradas exclusivamente nesse bioma”, explica Ana Maria.

Outro coautor do livro, Alexandre Justino Soares trabalha no Centro de Visitantes do Parque Nacional da Tijuca (ICMBio) há 11 anos e também é professor de Artes na rede municipal de ensino de Nova Friburgo. Ele ainda se encanta com a imensa diversidade de animais na área e a integração local entre fauna e flora. “Às vezes, presenciamos macacos-prego bebendo água diretamente de bromélias, algumas das quais podem alcançar até três metros, abrigando em seus vãos sapos, rãs e pererecas”, conta. Mas Alexandre ressalta: “Apesar de a bromélia ser depósito de água parada, na floresta ela não é foco de mosquito da dengue, porque num ambiente equilibrado os próprios animais fazem o controle biológico da espécie transmissora da Dengue, que se prolifera com mais incidência em ambientes domésticos”. O professor fala ainda sobre o ipê, cuja casca do tronco, segundo ele, é ótimo adstringente para machucados. “Os animais mastigam a casca da árvore e a colocam sobre suas feridas.” Para o professor, uma de suas aves prediletas é o tangará-dançarino, que além da grande variedade de cores em suas penas ganhou esse nome pela exótica dança de acasalamento que executa. “É um emocionante espetáculo da natureza, que pode ser admirado por qualquer pessoa”, exclama.

Andréa e equipe pretendem lançar em 2014 a versão impressa e ampliada do guia, trazendo informação sobre uma trilha, adaptada especialmente para visitantes que usem cadeira de rodas e para aqueles com deficiência visual, em que os pontos de interesse estão indicados em placas informativas em braile. “Pretendemos promover a inclusão também à natureza, a esse reduto tão rico de história e cultura”, finaliza Andréa. O livro completo pode ser baixado diretamente na página oficial do Parque Nacional da Tijuca (http://www.corcovado.org.br/) ou na página do Instituto de Biologia da UERJ (http://www.biologiauerj.com.br/) .

Fonte:  http://www.faperj.br/boletim_interna.phtml?obj_id=9624

© FAPERJ – Todas as matérias poderão ser reproduzidas, desde que citada à fonte.

Colaboração: Adolpho Ladeira – Analista de Mercado

MOTIVAÇÃO E O MEIO CORPORATIVO

motivacao

A motivação é uma força interior que se modifica a cada momento durante toda a vida, que direciona e intensifica os objetivos de um indivíduo. Dessa forma, quando dizemos que a motivação é algo interno, erramos em dizer que alguém nos motiva ou desmotiva, pois ninguém é capaz de fazê-lo. Existem pessoas que pregam a automotivação, mas tal termo é erroneamente usado, já que a motivação é uma força intrínseca e o emprego desse prefixo deve ser descartado.

Motivação vem do latim movere, mover em português, e designa a condição do organismo que influencia a direção (orientação para um objetivo) do comportamento. Em outras palavras, é o impulso interno que leva à ação, ou ainda o motivo que gera uma ação.

Segundo Abraham Maslow, o homem se motiva quando suas necessidades são todas supridas de forma hierárquica. Maslow organiza tais necessidades da seguinte forma: autorrealização, autoestima, social (Sociais), segurança e fisiologia (Fisiológicas). Segundo o autor, “cada pessoa atinge a sua autorrealização na medida em que procura atualizar os seus potenciais”.

As necessidades fisiológicas constituem a sobrevivência do indivíduo e a preservação da espécie: alimentação, sono, repouso, abrigo, etc. As necessidades de segurança constituem a busca de proteção contra a ameaça ou privação, a fuga e o perigo. As necessidades sociais incluem a necessidade de associação, de participação, de aceitação por parte dos companheiros, de troca de amizade, de afeto e amor. A necessidade de estima envolve a autoapreciação, a autoconfiança, a necessidade de aprovação social e de respeito, de status, prestígio e consideração, além de desejo de força e de adequação, de confiança perante o mundo, independência e autonomia. As necessidades de autorrealização são as mais elevadas, de cada pessoa realizar o seu próprio potencial e de auto desenvolver-se continuamente.

Lendo sobre a teoria de Abraham Maslow, fica mais fácil de compreender que a motivação vem da alma, e é intrínseca ao ser humano.

Claro que as empresas, gestões e diretorias têm sim o papel de estimular os profissionais para que permaneçam leves, produtivos, positivos dentro das companhias, mas a tão falada motivação não tem que vir deles. Ao contrário, tem que partir de nós, os profissionais atuantes.

Em uma organização, cabe às gestões promoverem os estímulos, e as nossas respostas a esses estímulos devem ser com motivação, que pode ser o motivo para agirmos. A motivação pode ser entendida como resposta aos estímulos do meio (empresa, família, amigos). O motivo que nos faz agir é nosso, pois é produzido por nós. Motivação deve ser o sentimento da nossa própria eficácia.

Disse Luciano Luppi: “Fica estabelecida à possibilidade de sonhar coisas impossíveis e de caminhar livremente em direção aos sonhos”.

 Fonte: http:// www . quantumassessment. com . br

DIA 10 SETEMBRO DIA DO PRIMEIRO JORNAL DO BRASIL

CONHEÇA UM POUCO DA HISTÓRIA DO PRIMEIRO JORNAL A CIRCULAR NO BRASIL

Ontem, 10 de setembro, comemorou-se os 205 anos de fundação do primeiro jornal a ser impresso no país: a Gazeta do Rio de Janeiro

1) Com a mudança da corte portuguesa para o Rio, em 1808, fazia mister a criação de um jornal para informar os nobres.

2)Em breve, no dia 10 de setembro daquele ano (os monarcas chegaram ao Rio em 8 de março), começava a circular a Gazeta do Rio de Janeiro.

3) O jornal era impresso pela Imprensa Régia, órgão que hoje, transmutado na Imprensa Oficial, publica o Diário Oficial da União.

primeiro-numero-da-gazeta-do-rio-de-janeiro-em-10-de-setembro-de-1808

Primeiro número da Gazeta do Rio de Janeiro, em 10 de setembro de 1808

4) Antes da instituição da Gazeta, o acesso a jornais vindos de outros países era não apenas raro, mas proibido por lei, como lembra a pesquisadora Juliana Gesuelli Meirelles.

5) A circulação era, como falava-se na época, bi-hebdomadária – ou seja, duas vezes por semana.

6) As “noticias” eram, basicamente, comunicados oficiais e publicações sobre decisões reais. Mas também havia espaço para notícias sobre política internacional.

7) Por seu caráter oficial, a Gazeta era considerada um jornal parcial e comprometido. A cobertura dos conflitos entre a França e a Inglaterra, por exemplo, era francamente pró-Inglaterra.

8) Em 1821, passou a se chamar apenas Gazeta do Rio.

9) Com a independência do Brasil, em 1822, a publicação foi extinta, substituída pelo Diário Fluminense, criado por Dom Pedro I.

Fonte:http://www .jb. com .br/ lista-d/ noticias/2011/09/11/conh eca-um-pouco-da-historia-do-primeiro-jornal-a-circular-no-brasil/

BRASIL VAI TESTAR VACINA CONTRA DENGUE EM HUMANOS

Vacina

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o Instituto Butantan a fazer testes da vacina contra a dengue em seres humanos. O teste terá a duração de cinco anos e será feito em 300 voluntários. Segundo o Ministério da Saúde, a autorização dada pela Anvisa é para a fase dois do estudo e visa a analisar efetivamente a eficácia e segurança da vacina tetravalente e que pretende prevenir a população contra os quatro tipos da doença (1, 2, 3 e 4).

Os testes em pessoas serão feitos no Instituto Central (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-USP); no Instituto da Criança (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP) e no Hospital das Clínicas (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP). O ministério está investindo R$ 200 milhões na pesquisa da vacina contra a dengue e projetos de outros produtos biológicos.

A pesquisa da nova vacina foi iniciada em 2006 pelo Instituto Butantan. Se for aprovada em todas as etapas da pesquisa clínica, poderá ser vendida e distribuída à população. A perspectiva do governo, em caso de sucesso em todas as etapas, é atender a demanda global e também exportar a vacina contra a dengue.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, avalia que a autorização para os testes é um grande passo para o enfrentamento da doença e faz parte dos esforços do governo para proteger a população contra a dengue.

O Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), também está pesquisando uma vacina contra a dengue com apoio do Ministério da Saúde. Os estudos começaram em 2009, em parceria com o laboratório privado GSK.

Edição: Carolina Pimentel

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

Fonte: MSN e Agência Brasil – Todos os direitos reservados.

CIENTISTAS DESCOBREM MUTAÇÕES QUE DÃO ORIGEM A TIPOS COMUNS DE CÂNCER

cancer-de-pulmao-20110608-size-598

Cientistas britânicos descobriram mutações que dão origem à maioria dos tipos mais comuns de câncer. Eles consideram um passo promissor na busca por um tratamento mais eficaz contra a doença.

Foi como um trabalho de detetive: usando poderosos computadores e amostras de sete mil tumores, os cientistas seguiram o rastro do câncer em busca de pistas.

Os pesquisadores descobriram 21 tipos de mutações genéticas, chamadas por eles de “assinaturas”, que estão por trás de 97% das 30 formas mais comuns de câncer.

Já se sabe que o cigarro, o excesso de sol e o envelhecimento provocam alguns tipos de câncer, mas falta descobrir muitos outros fatores que causam mutações nas células do nosso corpo para que elas virem tumores.

“Algumas dessas mutações são específicas de certos tipos de câncer. Mas outras aparecem em vários casos”, diz a pesquisadora Selena Mik-Zainal.

Uma delas seria causada por uma classe de enzimas, responsável por defender o corpo de vírus. Elas modificam os vírus para impedir que eles se reproduzam, mas teriam um duplo papel, mudando também as nossas células e levando à formação do câncer.

Segundo os cientistas, a descoberta pode levar à criação de novos medicamentos, ao diagnóstico cada vez mais precoce e à prevenção mais eficiente. Ao saber o que causa as mutações, podemos evitar que elas aconteçam.

Fonte: http: // g1. globo. com /jornal-nacional /noticia /2013 /08 / cientistas-descobrem-mutacoes-que-dao-origem-tipos-comuns-de-cancer.html

O QUE É LOGOSOFIA?

camisetas-personalizadas_450_camisetas-personalizadas-11-de-agosto-dia-internacional-da-logosofia-comemorativa

Muitos nunca ouviram falar em Logosofia, palavra de origem grega, que significa “ciência da razão”. Concebida em 1930, pelo escritor e pensador argentino Carlos Bernardo González Pecotche, a logosofia prega a promoção do bem estar próprio e da sociedade através do autoconhecimento.

Segundo Sylvie Antonini, integrante da Fundação Logosófica do Brasil, a logosofia é uma ciência eminentemente experimental. “Aquele que estuda e pratica os ensinamentos logosóficos aprende a conhecer seu mundo interior.” Ela afirma que “a logosofia também orienta o ser humano a adestrar-se na utilização das faculdades de sua inteligência, de modo a ser capaz de criar pensamentos próprios de índole construtiva.”

Mas como isso funciona na prática? Imagine que você é Lívia Hotta, pediatra paulistana, mãe de duas crianças e que, ainda por cima, dobra o turno de trabalho diariamente em dois consultórios. Certa manhã, sua empregada liga para avisar que não irá trabalhar nos próximos 15 dias. Qual a sua reação imediata? No caso da médica, a primeira atitude a ser tomada foi reverter o fluxo de pensamento estressante e mentalizar ‘isso não é o fim do mundo’. Feita a escolha, Lívia encontrou uma maneira criativa de otimizar o tempo, cuidar da casa e ainda fazer com que os filhos se tornassem mais organizados.

Explorando os campos do autoconhecimento, a proposta logosófica é emancipar o individuo, focando, principalmente, na identificação, classificação e seleção dos próprios pensamentos. Lívia iniciou o estudo logosófico há cinco anos motivada, sobretudo, pela preocupação com a educação dos filhos. “Antes do nascimento deles eu já tinha problemas de convivência e atribuía tudo ao acaso ou aos outros. A dificuldade em conviver e educar as crianças, porém, me fez perceber que algo estava errado”, conta a médica. O aproveitamento do tempo foi um dos primeiros conceitos que mudou a vida de Livia. “Passei a me concentrar no que realmente vale à pena. Entendi que me sobra tempo quando defino o que é prioridade”, diz..

Nem religião, nem crença
Ninguém é perfeito, mas todos podem caminhar rumo ao aperfeiçoamento. Tendo este conceito em vista, Pecotche – também conhecido popularmente como Raumsol – catalogou 44 deficiências e 22 propensões, que são conjuntos de manifestações que, de acordo com o autor, impedem a evolução do ser humano. No grupo das deficiências, podemos destacar a cobiça (que coloca a inteligência a serviço do lucro e da posse), a falsa humildade (falsa modéstia para obter elogios), a falta de vontade (ou preguiça) e a teimosia. Ainda segundo o autor, os indivíduos estão propensos ao engano, ao deleite dos sentidos, ao desalento e ao desespero, por exemplo. O ‘antídoto’ para lidar com as deficiências e propensões pode ser encontrado em valores como honestidade, sinceridade, decisão e docilidade.

Os ensinamentos logosóficos atraem um grande número de pessoas que buscam satisfazer inquietudes espirituais. Mas, embora a logosofia reconheça a existência de uma força criadora, ela não difunde a ideia de um transcendente punitivo e questiona os dogmas e os preconceitos, fatores que também impediriam a evolução.

Fonte: Abilio Diniz e Carolina Beu  http:// abiliodiniz. uol. com. br qualidade-de-vida/ o-que-e-logosofia.htm

CIENTISTAS PRODUZEM PRIMEIRO HAMBÚRGUER DE LABORATÓRIO

Hamburguer de laboratório

O primeiro hambúrguer feito em laboratório foi apresentado e degustado nesta segunda-feira (5), numa conferência científica em Londres.

Cientistas holandeses utilizaram células retiradas de uma vaca para reconstituir os músculos de carne bovina, que foram combinados a outros ingredientes para fazer o hambúrguer.

Os pesquisadores dizem que a tecnologia poderia ser uma forma sustentável para suprir a crescente demanda por carne.

Mas críticos da ideia dizem que comer menos carne seria o jeito mais fácil para compensar a já prevista falta de comida no mundo.

Segurança alimentar

A BBC obteve acesso exclusivo ao laboratório em que o projeto para produzir a carne foi implementado ao custo de cerca de R$ 750 mil.

Na Universidade de Maastricht, na Holanda, a pouco mais de 200 km da capital Amsterdã, o cientista à frente do experimento destaca a preocupação ambiental do estudo.

“Vamos apresentar ao mundo o primeiro hambúrguer feito em laboratório a partir de células. Estamos fazendo isso porque a criação animais para abate não é boa para o meio ambiente, não vai suprir a demanda mundial (por comida) e também não é boa para os próprios animais”, ressalta Mark Post, professor da Universidade de Maastricht.

Para Tara Garnett, que é chefe da Food Policy Research Network (um centro de pesquisas da área de alimentos) da Universidade de Oxford, na Inglaterra, os tomadores de decisão precisam olhar além das soluções técnicas na área de segurança alimentar.

“Nós temos uma situação onde 1,4 bilhão de pessoas no mundo ficam obesas da noite para o dia e, ao mesmo tempo, um bilhão de pessoas no mundo todo vão para a cama com fome”, ressalta.

MODO DE FAZER

1. Os cientistas começam extraindo células do músculo de uma vaca
2. No laboratório, as células são colocadas numa cultura – solução – com nutrientes para promover o crescimento e multiplicação das células
3. Três semanas depois, as mais de um milhão de células-tronco geradas são divididas e colocadas em recipientes menores
4. As células já crescidas se transformaram em pequenas tiras de músculo de aproximadamente um centímetro de comprimento e apenas alguns milímetros de espessura
5. As pequenas tiras são então coletadas e juntadas em pequenos montes, que, então, são congelados
6. Quando alcançam uma quantidade suficiente, elas são descongeladas e compactadas na forma de um hambúrguer antes de serem cozidas
7. O primeiro hambúrguer testado também leva açafrão, caramelo e suco de beterraba para dar cor e sabor

Fonte: Universidade de Maastricht

“Isso é simplesmente estranho e inaceitável. As soluções não se estabelecem na produção, mas na mudança dos sistemas de suprimento e acesso, com barateamento. E mais e melhores alimentos para pessoas que precisam deles”, critica.

A receita

As células-tronco são as “mestres” do corpo humano, que podem se desenvolver em tecidos em diversas formas, tais como nervos e pele.

A maioria dos centros de pesquisa atuando nessa área de estudos tenta reproduzir tecidos humanos que possam ser usados para transplantes, reparando danos em músculos, nervos e cartilagem.

Os cientistas da Holanda querem utilizar técnicas similares para produzir músculo e gordura dos alimentos.

O professor Mark Post começou extraindo células do músculo de uma vaca. No laboratório, as células são colocadas numa cultura – solução – com nutrientes para promover o crescimento e multiplicação das células.

Três semanas depois, as mais de um milhão de células-tronco geradas são divididas e colocadas em recipientes menores onde elas se tornam pequenas tiras de músculo de aproximadamente um centímetro de comprimento e apenas alguns milímetros de espessura.

As pequenas tiras são então coletadas e juntadas em pequenos montes, que então são congelados. Quando alcançam uma quantidade suficiente, elas então são descongeladas e compactadas na forma de um hambúrguer antes de serem cozidos.

Tem gosto bom?

Os cientistas tentaram recriar a carne, que inicialmente tinha a cor branca, da maneira mais autêntica possível.

A professora Helen Breewood, que atua com Post nos estudos, vem tentando fazer com que o músculo criado em laboratório fique vermelho adicionando um composto existente na carne de verdade chamado mioglobina.

“Se não se parece com a carne normal, se não tem gosto de uma carne normal, não se tornará viável”, afirma Breewood.

No momento, porém, este é um trabalho em progresso. O hambúrguer a ser apresentado hoje foi colorido com suco de beterraba. Os pesquisadores também adicionaram farinha de pão (ou farinha de rosca), caramelo e açafrão, que ajudam no sabor.

Até o momento, os cientistas podem apenas produzir pequenos pedaços de carne por vez. Quantidades maiores iriam requerer um sistema circulatório para distribuir nutrientes e oxigênio.

Os primeiros resultados sugerem que o hambúrguer não terá gosto tão bom, mas Breewood espera que ele tenha um sabor “bom o bastante”.

Sofrimento animal

A pesquisadora Helen Breewood, apesar de atuar no projeto para produzir carne em laboratório, é vegetariana e acredita que a produção de carne gasta muitas fontes de energia. Ela afirma que se comesse carne, iria preferir a feita em laboratório.

“Muita gente considera carne feita em laboratório repulsiva num primeiro momento. Mas se eles soubessem o que acontece nos abatedouros para a produção de carne normal, também achariam repulsivo”, ressalta.

Numa nota, representantes do grupo Pessoas pela Ética do Tratamento aos Animais (People for the Ethical Treatment of Animals – Peta) ressaltaram os benefícios da carne de laboratório.

“[Carne de laboratório] irá favorecer o fim de caminhões cheios de vacas, frango, abatedouros e fazendas de produção. Irá reduzir a emissão de gases de carbono, economizar água e fazer a rede de suprimento de alimentos mais segura”, destacou a nota do Peta.

Mas a escritora especializada em alimentos Sybil Kappor diz que sentiria dificuldades em comer a carne de laboratório. “Quanto mais longe você vai do normal, de uma dieta natural, mais corre riscos de saúde e outras questões”, ressalta.

O último levantamento das Organização para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas sobre o futuro da produção de alimentos mostra crescimento da demanda por carne na China e Brasil – e o consumo só não cresce mais porque muitos indianos mantêm a dieta amplamente vegetariana por costume cultural.

Assim, há o risco de que a carne produzida em laboratório seja uma aparente solução, cheia de problemas.

Fonte: http: // noticias. uol. com. br /ciencia / ultimas-noticias /bbc /2013 /08 /05 /cientistas-produzem-primeiro-hamburguer-de-laboratorio.htm

JOVENS BUSCAM DESAFIOS DE FÍSICA E MATEMÁTICA PARA TURBINAR ESTUDOS

Students

Com o sonho de ganhar medalhas em olimpíadas de conhecimento e conseguir vagas em universidades de ponta, jovens brasileiros buscam na internet exercícios de matemática e física para turbinar estudos de exatas.

Vitória Barim Pacela,16, colocou na sua rotina os exercícios semanais de física e matemática. Como o irmão Vitor, ela é medalhista da OBMEP (Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas).

“Resolver problemas tornou-se uma atividade divertida. O estímulo de acertar um exercício sempre me leva a querer resolver mais”, conta Vitória, que frequenta o 2º ano do ensino médio em Espírito Santo do Pinhal (SP) e usa a página Brilliant para treinar.

site propõe desafios online para que estudantes do mundo inteiro possam treinar seus conhecimentos em física e matemática. Há dois meses, o serviço passou a ser oferecido em português aos brasileiros (não são as todas questões já traduzidas), em uma parceria com a Fundação Estudar.

Antes de dar início aos desafios, uma série de exercícios verifica qual é o conhecimento do usuário para então poder avançar em nível de dificuldade de acordo com ele. Segundo o estudante Murillo Henrique Nojosa Arruda, 17, o site oferece conteúdos que nem sempre consta na grade curricular das escolas brasileiras.

O aluno tem ainda a possibilidade de resolver problemas básicos de matemática – com questões sobre sistemas numéricos, álgebra, funções e cálculos – e indicar uma questão que, se considerada boa, será publicada para todos os participantes.

Para ter acesso ao conteúdo, o aluno se registra no site e indica a escola onde estuda. Com isso, os alunos competem, marcam pontuações e podem ganhar, em troca, prêmios individuais ou para o grupo escolar ao qual pertencem. Atualmente, são três as competições em andamento, todas com premiações.

“Sempre gostei de olimpíadas. Mais pelo fato dos proventos que elas nos dá, as viagens, os amigos que você acumula na bagagem, o conhecimento e outros fatores acadêmicos que me serão úteis no futuro”, diz Murilo, que pretende ingressar no futuro no IME (Instituto Militar de Engenharia), no Rio de Janeiro.

Matemática avançada

Já a universitária Katia Gleicielly Frigotto, 20, aproveita os exercícios de cálculo propostos pelo site como estudo para seu curso de engenharia química, que faz na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

“Quando você não sabe como resolver um exercício mais complicado, o site dá um link para você aprender o conteúdo e solucionar a questão”, explica. Um benefício direto ao exercitar a matemática de maneira online foi perceber quais áreas da disciplina precisava de reforço.

O site não promove a comunicação entre os participantes, mas, ao indicar no perfil de usuário a quais redes sociais está-se conectado, a comunicação corre paralelamente. Já existem grupos fechados formados só por brasileiros no Facebook que compartilham e resolvem problemas matemáticos ou se ajudam uns aos outros.

Até o momento, o Brilliant é gratuito, mas a sua página mantém um aviso que algumas ferramentas podem ser pagas no futuro, inclusive a destinada a empresas que desejam recrutar os usuários do site

Fonte: http: // educacao .uol. com. br / noticias / 2013 /07 /24 / alunos-do-ensino-medio-buscam-desafios-de-fisica-e-matematica-na-internet.htm

TREMOR NAS PÁLPEBRAS É SINAL DE QUE É PRECISO DESACELERAR, DIZEM MÉDICOS

mulher-coca-os-olhos-cocando-os-olhos-alguma-coisa-dentro-dos-olhos-cisco-no-olho-1358528906351_1024x768

Quem nunca sentiu aquele famoso tremor nas pálpebras? Algo tão irritante quanto impossível de ser controlado. Pior: pode durar dias, com direito a curtos intervalos. Mas por que isso é tão comum e, ao mesmo tempo, difícil de ser evitado?

A oftalmologista Andrea Lima Barbosa, diretora médica da Clínica dos Olhos São Francisco de Assis (RJ), conta que é extremamente comum pessoas chegarem a seu consultório com essa queixa.

“É sempre preocupante para a pessoa e o correto é procurar um especialista, mesmo. Esse tremor palpebral em episódios é uma luz vermelha avisando que algo não vai bem não só no seu corpo, mas em sua vida”, alerta a médica.

Ela conta que o tremor é um sinal de que a pessoa pode estar no auge do estresse. “Pode ser  fadiga, ansiedade, resultado de noites mal dormidas ou problemas pessoais , por exemplo”.

Saiba as causas e como tentar evitar:

Como as causas são diversas, para evitar o tremor involuntário das pálpebras deve-se identificar a mais importante e agir nela:

– Fadiga: pode ser causada pelo uso contínuo de computadores ou monitores (síndrome da visão do computador). Nestes casos há necessidade de se intercalar períodos de trabalho com períodos de descanso dos olhos, ou seja, a mudança de foco durante 15 minutos, antes de prosseguir no uso;

– Estresse: deve-se tentar evitar ou resolver as condições ou as situações do ambiente de trabalho ou familiar que estejam ligadas ao aumento da ansiedade; pode-se tentar a utilização de medicação relaxante muscular leve, sob indicação médica;

– Secura nos olhos: também pode estar relacionada ao uso contínuo de computadores. Usar colírios lubrificantes preventivamente é indicado, assim como aumentar a umidificação do ambiente de trabalho;

– Cafeína: se a causa for associada ao consumo excessivo de cafeína, de bebidas energéticas ou de cigarro, deve-se reduzir ou suspender seu consumo;

– Não identificadas: sugere-se a consulta oftalmológica completa com objetivo de se avaliar a função muscular das pálpebras, a superfície ocular, erros refracionais ou fundo de olho.

Fonte: Norma Allemann, Professora Adjunta do Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de Medicina – UNIFESP.

Estresse

Barbosa explica que o tremor, quase sempre unilateral, aparece porque liberamos hormônios ligados ao estresse que vão para o sistema nervoso autônomo. Estes hormônios levam estímulos para as pálpebras, que passam a ter contrações involuntárias, ou seja, impossíveis de se controlar.

Com ela concorda o oftalmologista Luiz Carlos Portes, ex-presidente e membro do conselho consultivo da Sociedade Brasileira de Oftalmologia. Ele acrescenta alguns outros fatores que podem desencadear o problema: ingestão excessiva de cafeína, carência de vitaminas, idade avançada, excesso de horas em frente ao computador etc.

Ambos enfatizam que o oftalmologista deve ser consultado para descartar qualquer doença, mas o comum é mesmo que tudo não passe de estresse.  Porém, se for algo além disso, o paciente será encaminhado para um neurologista, por exemplo.

Portes, porém, avisa que algumas doenças como conjuntivite e olho seco também podem provocar os espasmos. Isso sem contar que pessoas com mal de Parkinson e Síndrome de Tourette (desordem neurológica ou neuroquímica caracterizada por tiques, reações rápidas, movimentos repentinos  ou vocalizações que ocorrem repetidamente) também sofrem com esses espasmos.

Procurar o médico

“Por isso é importante consultar um oftalmologista”, enfatiza o médico. Porém, como na maioria dos casos o problema advém mesmo do estresse, ele comenta: “Há pessoas que ao ficarem estressadas, sentem azia. Outras têm dor nas costas e algumas têm este tremor. É difícil, mas é preciso achar um caminho para não sentir tudo isso”.

“Você tem de se perguntar: o que vai fazer da sua vida? Como anda o trabalho e os relacionamentos. Eu indico relaxamento, ioga, meditação, algo para acalmar mesmo. E, na medida do possível, evitar se estressar”, alerta Barbosa.

A médica insiste que é preciso tomar cuidado porque, se a pessoa não se cuidar, poderá desenvolver doenças cardíacas, depressão, ansiedade ou hipertensão, por exemplo.

“É preciso mesmo repensar a vida”, ressalta, acrescentando que ela própria já passou por isso: “Quando eu fazia plantão médico, eu mesma tinha isso com frequência. Era uma época bem estressante para mim”. Portes também já teve o mesmo problema, quando se preparava para o vestibular: “Eram menos opções de faculdades e a pressão era ainda maior. Estudava muito!”.

Como fazer parar?

Uma receita caseira dá conta de que compressas de chá de camomila ajudariam a parar o tremor.  “Melhor tomar o chá”, brinca a médica.  Porém, ela ensina que gelo é bom, porque anestesia a musculatura.

Já o médico conta que indica ao paciente um relaxante muscular, mas também aconselha a pessoa a ir ao cinema, praticar exercícios e descansar, pois o comum é que o tremor passe quando ela conseguir relaxar.  “Se notamos que é algo de ordem pessoal ou depressão mesmo, o correto é encaminhar a um psicólogo ou psiquiatra”.

Botox

Se a pessoa tiver o tremor de forma crônica, pode ser algo mais grave. “Existe a doença do espasmo essencial, blefarospasmo, que é rara. É o famoso tique nervoso, a pálpebra fica tremendo o tempo todo. Daí é preciso tratamento com um neuro-oftalmologista que usará injeções de Botox”, conta a médica. A indicação ocorre porque a toxina botulínica paralisa o músculo.

Norma Allemann, professora adjunta do Departamento de Oftalmologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), conta que, em alguns desses casos, após diagnóstico diferencial adequado com doenças neurológicas que podem estar associadas, a toxina botulínica é aplicada em forma de injeções e tem duração variável de efeito, entre três e seis meses.  “O blefarospasmo é uma condição rara, um tipo de distonia facial, geralmente bilateral e associado a contraturas de outros músculos da face e caracterizado pela impossibilidade de controle voluntário.  Pode ser um sintoma de doenças neurológicas e deve ser acompanhado de consulta especializada para diagnóstico”, encerra.

Fonte: http:// noticias .uol .com .br / saude / ultimas-noticias /redacao /2013 /07 /02 /tremor-nas-palpebras-e-sinal-para-desacelerar-avisam-os-medicos.htm

%d blogueiros gostam disto: