Arquivo mensal: março 2015

EMPREGADOR TERÁ DE PEDIR SEGURO-DESEMPREGO PARA DEMITIDO

size_810_16_9_carteira

Brasília – Para tornar mais rápido o atendimento ao pedido e dar maior segurança às informações sobre os trabalhadores, o Ministério do Trabalho e Emprego determinou que as empresas passem a preencher o requerimento do seguro-desemprego de seus empregados pela internet.

A medida começa a valer na próxima quarta-feira, 1º de abril, de acordo com resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador.

Os empregadores só poderão preencher o requerimento do seguro-desemprego e a comunicação de dispensa de trabalhadores por meio do aplicativo Empregado Web, disponível no Portal Mais Emprego, do ministério.A entrega dos formulários impressos, utilizados hoje, será aceita até 31 de março.

Segundo o ministério, o sistema dará maior rapidez à entrega do pedido, além de garantir a autenticidade dos dados, e possibilitará o cruzamento de informações sobre os trabalhadores em diversos órgãos, facilitando consultas necessárias para a liberação do seguro-desemprego.

 

FONTE: exame . abril . com . br / economia / noticias / empregador – tera – de – pedir – seguro – desemprego – para – demitido

MENSAGEM ABERTA AO MÉIER INDIGNADA COM O DESCUIDO DO PREZUNIC – Por Djanira Felipe

MENSAGEM ABERTA AO MÉIER INDIGNADA COM O DESCUIDO DO PREZUNIC – Por Djanira Felipe

Foto Google

Presunic Méier - Dias da cruz

Amigos,

Quem me conhece sabe que escrevo e que nos meus canais de rede são postadas matérias de interesse da sociedade e que promovam o Bem Comum. Assuntos de cunho pessoal NÃO são divulgados, salvo para as pessoas mais próximas e que fazem parte. No entanto, acredito importante dessa vez compartilhar com todos porque assim estaremos alertando para que não aconteça com outras pessoas o fato que vou expor:

Ontem, 27/03/2015, saí da Cidade Nova às 18h40 e fui direto para o PREZUNIC da Dias da Cruz, no Méier, encontrar a Eliz que acaba de se recuperar de uma cirurgia. Como de costume avise-a de que estava entrando no estacionamento e a mesma disse que ia descer para me encontrar (eu sempre subi evitando que ela descesse sozinha por perceber a insegurança que oferece a esteira rolante). Em questão de segundos avistei-a rodeada de pessoas e imaginei que algo acontecera.

O fato é que ao colocar o carrinho de compras NAQUELA INADEQUADA ESTEIRA ROLANTE, ele em vez de prender as rodas emperrou e girou levando-a junto a ponto de causar vários ferimentos na mesma e quebrar o vidro de uma das laterais da esteira.  Uma moça aproximou-se e se apresentou como médica, (Adriane) delicadamente procurou acalmá-la, fez algumas perguntas e simulações verificando, pontualmente o necessário para o primeiro momento traumático. A Eliz estava muito nervosa, mãos trêmulas, por conta do ocorrido e também por temer agravantes em razão de ter sido operada a um mês. Depois de algum tempo um dos homens que estavam próximo solicitou que arrumassem uma cadeira para a Eliz e perguntou se ela estava com alguém. Apresentei-me e disse que acabara de avisá-la de que estava entrando para buscá-la. A médica me orientou a chegar em casa, aplicar gelo nos locais e dar Dipirona para a dor, e que pela idade, recomendava após ela se acalmar levá-la a uma unidade médica para fazer um exame de imagem para verificar se estava tudo bem internamente, mas acreditava está sem hemorragia ou fratura. Vendo que a Eliz estava sentindo muitas dores levei-a direto à emergência do Nortecor no Engenho de Dentro, dando entrada às 20h20 e saindo às 22h30, Ela foi atendida, medicada e fizeram exames de imagens. Após sua liberação fomos para casa, com o casal amigo Valdir e Karine, nossos vizinhos que ao serem comunicados do ocorrido foram ter conosco, como sempre muito solidários. A eles a nossa gratidão extensiva a outros amigos que avisei e cada um a seu modo foi solidário seja, via fone, mensagem ou orações.

Agradecimentos sinceros à Dra. Adriane (Pediatra) e que foi extraordinariamente atenciosa e solidária para com o próximo. Ela estava chegando para fazer compras e não passou indiferente à situação aflita da gente, mesmo sem nos conhecer.

À equipe do Nortecor pela atenção que tratam os pacientes e acompanhantes.

AO PREZUNIC,

Supermercado ao qual damos preferência, toda minha INDIGNAÇÃO pela frieza no trato com os clientes. O meu REPÚDIO pela visão apenas em obter lucro sem se importar com o bem-estar das pessoas, em que pese o tipo de esteira que utilizam adequada para carga de materiais, equipamentos como carrinhos, mas jamais para transporte de clientes, considerando que circulam desde crianças ao idoso. O homem que solicitou a cadeira, apenas isso, suponho que faça parte do quadro do PREZUNIC, sei que o seu nome é ANDERSON porque perguntei antes de sairmos, mais nenhuma informação além disso. Da parte do supermercado não houve uma atitude em comunicar ao gestor o ocorrido com uma idosa na esteira, não houve nenhuma forma de expressar o interesse em ajudar de alguma maneira. Tanto que repito: suponho que o homem faça parte, mas nem disso tenho certeza. Graças a Deus ela está viva. Caberá aos responsáveis pelo supermercado a decisão de evitar ou não que algo pior ocorra com outras pessoas.

E nesse ponto ressalto que a Eliz, segundo a médica do Nortecor não teve fraturas. E mesmo medicada sente ainda muitas dores.

A expectativa é a de que alguém de um Órgão competente leia esse fato e verifique as condições de acessos que o PREZUNIC oferece aos seus clientes ou que os gestores tenham a dignidade de rever os seus conceitos de bom atendimento. Não basta ter um produto bom, localização boa e mercado lotado. Faz-se necessário ter RESPEITO E ATENÇÃO pelo consumidor. E tratar pessoas como pessoas e não feito coisas.

A pretensão é a de que todas as pessoas que leiam esse relato tenham cuidado ao subirem ou descerem as ESTEIRAS ROLANTES DO PREZUNIC. Todos nós corremos o risco de passar por uma situação dessas.

Abraços fraternos aos seus corações, leitores amigos.

Djanira Felipe – Mulher que escreve. Mulher que faz. E sabe o porquê.

Rio de Janeiro, 28 de março de 2015

FUNCIONÁRIOS PAGAM ROMBO DE FUNDO DE PENSÃO DOS CORREIOS

AMIGOS,
VAMOS FAZER ECOAR A NOSSA VOZ!
SÃO ANOS, UMA VIDA INTEIRA PARA QUE TIREM O QUE É NOSSO DE FATO E DE DIREITO.
VAMOS NOS INCONFORMAR!
DIVULGUEM! DIVULGUEM! E DIVULGUEM!
ALGUÉM HÁ DE SENTIR VERGONHA NA CARA POR MASSACRAR A CLASSE TRABALHADORA.
ACORDA BRASIL!

DJANIRA FELIPE – MULHER QUE ESCREVE. MULHER QUE FAZ. E SABE O PORQUÊ.

 

 

download

Cada servidor dos Correios pagará 25,9%do salário para cobrir déficit de R$ 5,6 bi

Funcionários dos Correios tentam evitar por meio de uma batalha judicial e de greves que os participantes do Postalis, fundo de pensão da estatal, tenham redução de um quarto nos seus salários a partir de abril de 2015 pelo período de 15 anos e meio.

A conta é resultado de um déficit atuarial de R$ 5,6 bilhões no Postalis, controlado pelo PT e PMDB, provocado por investimentos suspeitos, pouco rentáveis ou que não tiveram ainda rendimento repassado ao fundo (leia texto ao lado). Também sob influência dos dois partidos políticos, o Funcef, dos empregados da Caixa Econômica Federal (CEF), e a Petros, da Petrobras, contabilizam prejuízos bilionários.
Partiu do conselho deliberativo do Postalis a decisão de impor aos funcionários a contribuição extra que terá forte impacto sobre os salários. No primeiro momento, ficou definido um corte de 25,98% nos contracheques. O déficit será reavaliado a cada ano a partir do retorno dos investimentos e da expectativa de vida dos participantes. Um funcionário que tem salário de R$ 10 mil, por exemplo, receberá R$ 2.598,00 a menos no final do mês apenas para cobrir o déficit, além o valor da contribuição definida. Vão pagar o porcentual extra os funcionários mais antigos, aqueles que entraram nos Correios até 2008. Isso equivale a 75% do pessoal da empresa.
Integrantes do fundo argumentam que o déficit bilionário é resultado da má administração dos investimentos dos últimos anos. Também acusam os Correios de não terem pago a dívida que têm com o Postalis. Por isso, a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect) entrará nesta segunda-feira com duas ações na Justiça Federal. A primeira contra a ECT para que a empresa reconheça que deve R$ 1,150 bilhão ao fundo e abata esse valor do cálculo do déficit que precisa ser equacionado. No outro processo, a federação quer que a estatal assuma o pagamento do déficit integralmente por entender que a responsabilidade pela má gestão dos ativos do fundo é da patrocinadora.
“Esse novo reajuste repassa para nós a culpa da má administração do fundo”, afirmou José Rodrigues dos Santos Neto, presidente da Fentect. Ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT), a federação diz reunir 30 sindicatos, que representam 74 mil trabalhadores dos 120 mil dos Correios.
Na semana passada, carteiros de ao menos dez Estados brasileiros fizeram paralisação para protestar contra a contribuição extra definida pelo conselho deliberativo do Postalis.
A Adcap (Associação Nacional dos Profissionais dos Correios) também irá ingressar com medida judicial. “Entendemos que os Correios deixaram de pagar essa dívida com o Postalis para maquiar o balanço e apresentar resultado positivo no ano passado”, afirmou Luiz Alberto Menezes Barreto, presidente da entidade, que representa os profissionais de nível médio, técnico e superior.
Extras. Os funcionários dos Correios e a empresa já fazem contribuições extras ao plano desde 2013 para cobrir o déficit de R$ 1 bilhão dos dois anos anteriores. Nesse período, foi descontado mensalmente do contracheque 3,94% do valor da aposentadoria, da pensão ou do valor previsto para o benefício – no caso dos servidores da ativa.
As contribuições extras, que subiram de 3,94% para 25,98%, são para equacionar o plano de benefício definido do Postalis, sob o risco de o banco e os dirigentes do fundo serem punidos pelo órgão regulador. Na conta foi incluída uma dívida dos Correios com o Postalis de 2008, da época em que o plano de benefício definido foi saldado.
Os Correios fizeram o pagamento dessa dívida, em parcelas, de 2001 até março de 2014, mas interrompeu o pagamento por determinação do Ministério do Planejamento e do Tesouro Nacional. Os órgãos de controle concluíram que a estatal saldou integralmente sua parte com o término do plano definido. O R$ 1,150 bilhão restante, segundo o governo, constitui déficit atuarial e deve ser dividido a patrocinadora (Correios) e os funcionários.
Ação. O Postalis tem um entendimento diferente. O fundo entrou com ação com pedido de tutela antecipada (liminar) contra os Correios para cobrança desse montante relativo às obrigações sobre o tempo de trabalho dos participantes antes da criação do plano.

Os Correios informaram, por meio de nota, que contrataram consultoria especializada para avaliar se o Postalis ou o governo tem razão.

FONTE: economia . estadao . com .br / noticias / geral , rombo – do – postalis – chega – aos – empregados – imp – , 1655842

20 DE MARÇO – DIA INTERNACIONAL DA FELICIDADE

felicidade-686x350

O Dia Internacional da Felicidade é comemorado anualmente em 20 de Março.

O Internacional Day of Happiness, como é conhecido internacionalmente, tem o objetivo de promover a felicidade e alegria entre os povos do mundo, evitando os conflitos e guerras sociais, étnicas ou qualquer outro tipo de comportamento que ponha em risco a paz e o bem-estar das sociedades.

Origem do Dia Internacional da Felicidade
O Dia Mundial da Felicidade foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas), em Junho de 2012. Mas, o “ponta pé inicial” da iniciativa foi do Butão, um pequeno país asiático, que se orgulha de possuir uma das populações “mais felizes do mundo”.

A decisão de criar um dia dedicado à felicidade surgiu durante uma reunião geral das Nações Unidas, sob o tema “Felicidade e Bem-Estar: Definindo um Novo Paradigma Econômico”, em abril de 2012.

Com aprovação total dos 193 países-membros, a proposta de Butão foi aceita e o Dia Internacional da Felicidade passou a incorporar o calendário oficial da ONU em 20 de Março.

Em 2013 o mundo comemorou pela primeira vez o Dia Internacional da Felicidade.

Desde 1972, Butão adota uma postura de “felicidade bruta e absoluta”, fazendo com que a “Felicidade Nacional Bruta” seja prioridade acima do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

 

FONTE: calendarr . com / brasil / dia – internacional – da – felicidade /

INÍCIO DO OUTONO

download (1)

O Outono inicia hoje às 19h45 .

Sendo uma estação de transição entre o verão e inverno, verificam-se características de ambas, ou seja, mudanças rápidas nas condições de tempo, maior freqüência de nevoeiros e registros de geadas em locais serranos das Regiões Sudeste e Sul.

Nota-se uma redução das chuvas em grande parte do País, com o registro dos maiores totais de chuva, superiores a 700 mm, no extremo norte das Regiões Norte e Nordeste e no leste do Nordeste, onde se inicia o período mais chuvoso. No restante do País, predominam totais de chuva entre 150 mm e 400 mm.

Nas Regiões Sul, Sudeste e parte da Região Centro-Oeste do Brasil, as temperaturas tornam-se mais amenas devido à entrada de massas de ar frio, com temperaturas mínimas que variam entre 12ºC a 18ºC, chegando a valores inferiores a 10ºC nas regiões serranas. Nestas mesmas áreas, as temperaturas máximas oscilam entre 18ºC e 28ºC. Nas Regiões Norte e Nordeste, as temperaturas são mais homogêneas: a mínima variando em torno de 22ºC, e a máxima variando entre 30ºC e 32ºC.

 

FONTE: clima1 . cptec . inpe . br / estacoes /

GUIA DE TAXA DE INCÊNDIO, QUE CUSTARÁ ENTRE R$ 23 E R$ 1.436, JÁ PODE SER IMPRESSA PELO SITE

taxabombeiro

Taxa sofreu um reajuste de 5,8%, com relação ao ano passado. Foto: Guilherme Pinto

 Já está disponível para impressão a guia da Taxa de Incêndio de 2015 (ano-base 2014). De acordo com o Fundo Especial do Corpo de Bombeiros (Funesbom) — responsável pela emissão do documento e pela arrecadação — os valores a pagar vão variar entre R$ 23,94 (para imóveis com até 50 metros quadrados de área construída) e R$ 1.436,31 (bens não residenciais com mais de mil metros quadrados) este ano — um aumento de 5,8%, com relação ao ano anterior. As datas de vencimento vão de 11 a 15 de maio, de acordo com o número final do Corpo de Bombeiros (CBMERJ), impresso na conta de 2014. As cobranças também serão enviadas via Correios.

Em casos de casas com área construída de até 50 metros quadrados, não haverá pagamento da taxa, pois é concedida a isenção a proprietários e inquilinos desses imóveis. Para os apartamentos, no entanto, mesmo que a metragem esteja abaixo de 50 metros quadrados, o recolhimento deverá ser feito.

Quem não souber o número do CBMERJ poderá consultar o site do Funesbom (http://funesbom.com.br), desde que tenha em mãos o número de inscrição predial, que consta do carnê do IPTU. Em seguida, bastará informar o município.

O pagamento da taxa poderá ser feito em qualquer banco. Segundo o Artigo 1º da Lei estadual 3.686/2001, aposentados, pensionistas ou portadores de deficiência física também têm o direito de solicitar a isenção de pagamento, desde que ganhem até cinco salários mínimos por mês (R$ 3.940) e morem em imóveis de até 120 metros quadrados. Para isso, o requerimento deve ser feito no site do Funesbom. Em seguida, deve-se imprimir o pedido e levá-lo a um quartel dos Bombeiros que tenha atendimento disponível.

taxa2

 

FONTE: Agência O Globo Extra

COMO A LOJA FÍSICA SOBREVIVERÁ AO E-COMMERCE?

ONDV-Foto-Not--cias-0814-Ecommerce-Humaniza----o[1]

Durante anos, a expansão vertiginosa do comércio eletrônico foi o argumento perfeito para os profetas que anunciaram a morte iminente da loja física. Seu fim prematuro parecia fazer sentido: o interesse dos consumidores em usar a web para pesquisar preços, verificar a disponibilidade de produtos e efetivamente concluir a compra só crescia. No entanto, aconteceu o contrário. A loja física não só está longe de morrer como se converteu no centro da nova experiência do cliente. Os varejistas precisam aproveitar as oportunidades trazidas pelo avanço da tecnologia para reposicionar seus negócios a fim de entregar uma experiência de compra diferenciada para seus consumidores, unindo as facilidades da tecnologia com a humanização e o entretenimento possíveis no ambiente físico. Na mais recente feira do setor de varejo, a NRF, realizada em Nova York, essa nova experiência de compra foi intitulada de “phygital”.

O objetivo do consumidor de comprar se mantém, mas sua jornada de compra mudou drasticamente. De acordo com alguns números apresentados durante a feira, 78% das vendas americanas ainda ocorrem nas lojas físicas, porém, 84% destas são influenciadas por um dos pontos de contato digitais. Antes de fazer uma compra em lojas físicas, 84% dos consumidores utilizam o digital para melhorar a experiência de compra. Em 2014, 73% dos consumidores americanos que detinham smartphones usaram sites mobile ou aplicativos para buscar produtos (ante 56% em 2012).

O que vai diferenciar uma boa conexão entre clientes e marcas será a experiência. As empresas que estão tendo sucesso são aqueles que conseguem aproveitar a tecnologia para surpreender e encantar seus clientes, seja no interior da loja física ou no ambiente online.

Um exemplo inspirador para o varejo é o da grife americana de roupas e acessórios de luxo Rebecca Minkoff, que recentemente fechou uma parceria com o eBay para lançar sua versão de loja conectada. A unidade da grife no bairro do Soho, em Nova York, possui um espelho interativo que permite aos clientes desfrutar de uma seleção de itens com curadoria de Minkoff enquanto tomam champagne e adicionam itens a sua lista de desejos. Os clientes recebem uma notificação quando as peças selecionadas por eles já estão no provador. Uma vez lá dentro, os clientes podem selecionar a iluminação e o cenário para o look. A ferramenta também faz sugestões de novas peças com base nas escolhas dos clientes. A loja ainda tem uma megatela de alta definição que mostra lookbooks e desfiles. O mais interessante é que esta é a primeira loja oficial de Rebecca Minkoff, ou seja, ela nasceu assim, contando com a tecnologia para encantar e surpreender seus clientes.

O futuro do varejo está longe de ser o fim da loja física. O varejo do futuro está no toque dos dedos do consumidor, que tem hoje acesso à tecnologia e está totalmente disposto a usá-la para melhorar sua jornada de compra. O varejista que vai se dar bem será aquele que estará impecavelmente pronto para atender o seu cliente aonde ele quiser na hora que ele quiser e como ele quiser. Já foi o tempo em que falávamos somente de multicanalidade. Estamos na era da convergência de canais e principalmente do uso da tecnologia para que essa convergência ocorra de maneira fluida. O dia que esse futuro chegar, certamente a vida do consumidor será mais fácil e as vendas dos varejistas bem melhores.

POR CLAUDIA SCIAMA, diretora de negócios para varejo do Google Brasil

Fonte: Proxxima – 03/03/2015

15 DE MARÇO – DIA INTERNACIONAL DO CONSUMIDOR

wordle

O Dia Mundial dos Direitos do Consumidor foi comemorado, pela primeira vez, em 15 de março de 1983. Essa data foi escolhida em razão do famoso discurso feito, em 15 de março de 1962, pelo então presidente dos EUA, John Kennedy. Em seu discurso, Kennedy salientou que todo consumidor tem direito, essencialmente, à segurança, à informação, à escolha e de ser ouvido. Isto provocou debates em vários países e estudos sobre a matéria, sendo, por isso, considerado um marco na defesa dos direitos dos consumidores.

No Brasil, o Código de Defesa do Consumidor foi instituído em 11 de setembro de 1990, com a Lei nº 8.078, mas entrou em vigor apenas em 11 de março de 1991. Sua necessidade nasceu da luta do movimento de defesa do consumidor no País, que começou com a vigência da Lei Delegada nº 4, de 1962, e se fortaleceu em 1976, com a criação do Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo. Isso serviu de incentivo e modelo para a criação dos demais Procon’s do País, inclusive o de Santa Catarina, em 1988.

Os Procon’s e os movimentos de defesa do consumidor pressionaram o Congresso Constituinte que aceitou a proposta de inserir na Constituição Federal de 1988 a defesa do consumidor. Sendo assim, o inciso XXXII, do art. 5º da CF 88 diz que “o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor”. No título que trata da Ordem Econômica e Financeira, a defesa do consumidor foi incluída como um dos princípios gerais da atividade econômica, nos termos do art. 170, V, da CF 88. A partir de então, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) disciplinou todas as relações de consumo, com dispositivos de ordem civil, processual civil, penal e de Direito Administrativo.

Um dos maiores avanços do CDC é o do reconhecimento da vulnerabilidade de todo o consumidor no mercado de consumo que em concurso com outros princípios, como da igualdade, liberdade, boa-fé objetiva, repressão eficiente dos abusos, visa atender as necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a melhoria de sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia das relações de consumo.

O que faz do Código de Defesa do Consumidor uma das leis mais avançadas do mundo não é o fato dele nascer de um processo de elaboração legislativa de iniciativa do Governo Federal ou do Congresso Nacional e sim da pressão da sociedade, representada no movimento consumerista, pressionando, discutindo, exigindo, tornando-se presente. Por isso, mais importante que a lei é o movimento de defesa do consumidor.

 

FONTE: procon . sc . gov . br / index . php / outros – destaques / 569 – 15 – de – marco – dia – internacional – do -c onsumidor – parabens – pelo – nosso – dia

 

14 DE MARÇO – DIA NACIONAL DA POESIA

66c6e5c866eb54854941653fdec10a83

A palavra “poesia” tem origem grega e significa “criação”. É definida como a arte de escrever em versos, com o poder de modificar a realidade, segundo a percepção do artista.

Antigamente, os poemas eram cantados, acompanhados pela lira, um instrumento musical muito comum na Grécia antiga. Por isso, diz-se que a poesia pertence ao gênero lírico. Hoje, os poemas podem ser divididos em quatro gêneros: épico, didático, dramático e lírico.

As linhas de um poema são os versos. O conjunto desses versos chama-se “estrofe”. Os versos podem rimar entre si e obedecer à determinada métrica, que é a contagem das sílabas poéticas de um verso. Os versos mais tradicionais são as redondilhas; a redondilha menor tem cinco sílabas, e a maior com sete; os versos decassílabos, dez; os alexandrinos, doze.

A rima é um recurso que confere musicalidade aos versos, baseando-se na semelhança sonora das palavras do final ou, às vezes, do interior dos versos. Rima, ritmo e métrica são características especiais de um poema e que podem variar, dependendo do movimento literário da época.

No Brasil, os primeiros poemas surgiram junto com o seu descobrimento, pois os jesuítas usavam versos para catequizar os índios.

Depois, surgiram outras formas de poesia, como o barroco (1601-1768), o arcadismo (1768-1836), o romantismo (1836-1870), o parnasianismo (1880-1893), o simbolismo (1893-1902), o pré- modernismo (1902-1922), o Modernismo (1922-1962), até a forma de hoje.

O Dia Nacional da Poesia é comemorado em homenagem ao nascimento de Castro Alves, em 14 de março de 1847. Poeta do romantismo, ele foi um dos maiores nomes da poesia brasileira. Suas obras que mais se destacaram foram: Os escravos (no qual há o seu famoso poema Navio Negreiro) e Espumas flutuantes, cujas características principais são a valorização do amor e a luta por liberdade e justiça. Há outros nomes importantes da poesia brasileira: Alberto de Oliveira, Gonçalves Dias, Raimundo Correia, Olavo Bilac, Casimiro de Abreu, Cecília Meireles, Jorge de Lima, Ferreira Gullar, Manuel Bandeira, Mário de Andrade, Mário Quintana, Carlos Drummond de Andrade e muitos outros.

Do livro: Datas Comemorativas cívicas e históricas, publicado por Paulinas Editora.

 

FONTE: paulinas . org . br / diafeliz / ? system = datacomemorativa & id = 71

O FATOR HUMANO NO MERCADO LOGÍSTICO

logistica-600x400[1]

Dada a sua característica principal, que é vencer distâncias, o mercado logístico é mais associado a recursos físicos, seja de equipamentos, como caminhões, guindastes contêineres, ou de infraestrutura, rodovias, ferrovias, pontes, portos etc. Embora sejam fundamentais, de nada adiantam sem a inteligência e operação humanas, cuja criatividade, justamente, supera obstáculos.

Em outras palavras, mesmo no mercado logístico (à semelhança de outros serviços), o fator humano é fundamental para o sucesso do negócio. Isso até pode parecer óbvio, mas ainda são comuns longas jornadas, baixa sistematização e formalização do setor, e até um certo descrédito por não ser uma atividade fim.

Porém, precisamos ter em mente que o colaborador é o cartão de visita da empresa e está em contato com o cliente final o tempo todo. Podemos dizer que serviço é um sentimento, então, a depender do nível de atendimento que o cliente recebe, seja ele mágico, trágico ou apático, o cliente constrói a imagem da companhia e a dissemina.

O sucesso de uma empresa está diretamente ligado à visão de que pessoas, processos, tecnologia e ambiente devem estar devidamente equalizados, o que faz com que conquiste e fidelize clientes o tempo todo.

O fato de não haver interesse ou, mesmo, preocupação com gente, faz o potencial de geração de negócios não ser efetivado em seu nível máximo. As pessoas precisam saber que são importantes, ser reconhecidas, valorizadas e desafiadas por um time de líderes competente, devidamente preparado para tal questão.

Encontramos, hoje, corporações esvaziadas de comprometimento, onde as pessoas mecanicamente cumprem suas tarefas, sem interesse algum em oferecer o seu melhor. Habitualmente, lideradas por profissionais cujo conceito de resultado se mostra bastante equivocado.

Costumo questionar líderes em reuniões e treinamentos quanto ao entendimento de gente no negócio e são inúmeras as vezes em que as respostas se mostram invertidas. Costumo responder que “quem faz ou não faz resultados é gente” e não são poucas as vezes em que a discussão trava nesse ponto, por falta de argumentos.

É óbvio que há a necessidade de uma infinidade de outros recursos, para que a empresa se sustente, mas compreender que gente é quem entrega ou não resultados é fundamental, ainda mais no mercado logístico, cujas máquinas, na maioria das vezes, são dirigidas por pessoas. São elas, também, que passam por situações de estresse e que devem contorná-las. Nessa hora, o melhor equipamento de nada serve, pois não pode interagir com o cliente e outros envolvidos.

Logo, as ações de Recursos Humanos, que oportunizem melhoria no clima organizacional e no nível de engajamento de seus colaboradores, acabam invariavelmente redundando em ganhos de imagem junto ao mercado e, consequentemente, em melhores resultados para a corporação.

Importante ressaltar que todas as rotinas de Recursos Humanos da empresa devem estar descritas em formato de procedimentos, cuja metodologia utilizada é semelhante a que se adota em processos de certificações internacionais. Dessa forma, garantimos que todo conhecimento e modus operandi se mantenham devidamente atualizados, documentados na empresa e, ainda, que todos desenvolvam as rotinas de forma padronizada.

O processo de padronização também se estende por diversas áreas da companhia, bem como esta possui seus processos devidamente mapeados, por meio de ações desenvolvidas pela área de Qualidade e Gestão da empresa. A garantia de atuação padronizada, no desenvolvimento de rotinas, garante ao cliente o padrão de excelência em operação e atendimento.

A busca incessante por satisfação e clima positivo de trabalho inspira os colaboradores e faz com que sintam orgulho em pertencer, o que naturalmente reflete nos resultados da empresa. Quer vencer distâncias? Use todos os modais, mas o motor principal sempre será o fator humano.

Por Angela Christofoletti

Fonte: Mundo Logística – 27/02/2015

MULHERES SÃO DONAS DE 43% DOS NEGÓCIOS NO BRASIL, DIZ ESTUDO

wdb5-150ppp-e1425306135103[1]

São Paulo – Entre os negócios existentes no Brasil, 43% pertencem a mulheres empreendedoras, em sua maioria com pequenas e médias empresas, segundo informou um estudo divulgado nesta segunda-feira pela ‘Serasa Experian’.

O estudo, inédito e baseado em dados oficiais, revela que o Brasil possui 5.693.694 mulheres empreendedoras que representam 8% da população feminina do país.

Segundo o estudo, 43% dos donos dos negócios no Brasil são do sexo feminino e do total de mulheres, 73% são sócias de pequenas e médias empresas.

Mas quando o alvo são as grandes empresas, apenas 0,2% das mulheres empreendedoras brasileiras são sócias nestas companhias.

A idade média das mulheres empreendedoras é 44 anos, de acordo com o relatório.

E a maior concentração de mulheres empreendedoras (52,06%) se encontra na região sudeste.

Fonte: Exame – 23/02/2015
Colaboração Adolpho Ladeira – Analista de mercado

12 DE MARÇO – DIA MUNDIAL CONTRA A CYBER CENSURA

africa180709

Em meio à onda de censura e de tentativas de censura contra a internet e nossa liberdade na rede – podemos citar brevemente a Lei Azeredo ou AI-5 Digital (#AI5digital) no Brasil, o HADOPI na França, a censura aberta na China, Arábia saudita e Irã – nada mais coerente que a promoção de um dia para denunciar tais iniciativas e pregar exatamente o inverso, a liberdade na rede, a nossa liberdade de não sermos censurados ou limitados em nosso acesso à informação.

É neste espírito que a organização Repórteres Sem Fronteira promove, hoje, o Dia Mundial contra a Cyber Censura, uma iniciativa de alcance mundial e que deve ser amplamente divulgada por todos. É a oportunidade ideal para retomarmos as discussões, no Brasil, da Lei Azeredo e também dos demais projetos que visam criar barreiras ao acesso livre.

Neste ponto não falo apenas de censura explícita, mas também de questões relacionadas ao monopólio, à qualidade (ou falta dela) dos serviços prestados e aos projetos que inviabilizam uma internet de qualidade e para todos.

No Brasil, por exemplo, não vivemos apenas à sombra da censura ou somos apenas vítimas de vasculhamento de nossos dados e dos DRM’s, mas também pagamos um preço alto para navegar – em todos os sentidos. Péssima qualidade dos serviços de internet, alcance limitado, preços exorbitantes… Tudo isto pode ser alencado como uma forma do capital nos censurar em nossa liberdade de navegar, de nos informar.

Cabe nesta data, também, no caso brasileiro, defender um programa nacional de banda larga que propicie o acesso livre e à preços decentes para toda a população. Um programa estatal que incentive a concorrência sadia entre as empresas do setor e que coíba os abusos os quais estamos já acostumados.

O Dia Mundial contra a Cyber Censura deve marcar o início de uma luta conjunta, mundial, sem fronteiras e solidária. Não é mais possível tolerar que Estados bloqueiem o acesso dos cidadãos, coíbam a discussão e a troca de ideias em pleno século XXI. Os Estados – com razão – temem o poder da internet, mas não podem, sob hipótese alguma, censurá-la. Que combatam fogo com fogo, informação com informação, ação com mais ações e jamais com a velha atitude do menino birrento dono da bola.

Parece uma tola comparação, mas tem validade. O Estado censurador é aquele que dita as regras, que não aceita perder, que só permite o acesso dos seus amigos e, ainda assim, sob estritas condições. Quando cansa ou não mais lhe convém, bloqueia, censura, expulsa, mata. Mas a censura não se limita ao Estado: Empresas que empregam mecanismos de verificação de dados sem a permissão do usuário ou que utilizam e promovem tecnologias anti-cópias (DRM) também contribuem para a censura ao impedir o compartilhamento do conhecimento e o livre acesso à informações.

Por estas e outras que iniciativas como o debate sobre o Marco Civil da Internet, o Mega Não (#Meganao) e o Fórum de Cultura Digital devem sempre ser lembradas, incentivadas e divulgadas. Acima de tudo, a pressão popular deve ser constante. Mais de uma vez já mostramos que temos poder.

A internet é a ferramenta mais temida nos dias de hoje pelas elites, pela mídia e pelo poder. Ela empodera àqueles que, de outra forma, permaneceriam esquecidos, oprimidos. É uma verdadeira arma que dá munição infinita aos que protestam por justiça, igualdade e liberdade e isto faz tremer as estruturas do Estado – em empresas – que não vê outra alternativa senão censurar.

E a censura, retomo, vem por diversos caminhos, toma diversas formas. Não apenas como um filtro, mas também passa pela limitação de banda, pela falta de infra-estrutura, pelo cadastro para acessar determinados sites ou mesmo para acessar, pelo policiamento, pela conivência com softwares com DRM e por aí vai.

Qualquer forma encontrada por Estado e empresas para dificultar o acesso dos usuários é uma forma de censura. E deve ser combatida de forma intransigente.

Para não só combater mas também dar publicidade aos que combatem a censura é que este dia específico em defesa da liberdade da e na rede demonstra sua relevância.

A luta pela liberdade na rede deve ser ampla, irrestrita, deve ser levada à todos os recantos do mundo. Ciberativistas de todos os cantos devem se unir para combater a atitude intransigente de governos e empresas, não importa onde e através de que fronteiras. Grupos minoritários não podem ser patrulhados, democratas e lutadores da liberdade não podem ser cerceados no seu direito de informar e compartilhar, usuários comuns não podem ter seus passos verificados e seguidos por qualquer instrumento ou organização.

Enfim, a luta pela liberdade é uma luta de todos.

Junte-se a nós!

FONTE: trezentos . blog . br / ? p = 4339

%d blogueiros gostam disto: