Arquivo mensal: julho 2012

VOTE CERTO – FAÇA A DIFERENÇA

AQUELE QUE CRER SEMEIA

Twitter se desculpa por falha e explica: 2 sistemas caíram

Serviço de microblogs ficou inacessível para usuários pelo mundo. Foto: Getty Images

Serviço de microblogs ficou inacessível para usuários pelo mundo
Foto: Getty Images

 

Depois de uma longa interrupção em seus serviços nesta quinta-feira, o Twitter pediu desculpas em seu blog oficial, em um post dizendo que lamentava ‘profundamente’ pela inconveniência causada aos usuários.

“Lamentamos. Muitos de vocês vieram ao Twitter cedo hoje esperando, bem, Twitter”, diz o post. “Em vez disso, entre cerca de 8h20 e 9h desta manhã (12h20 e 13h no Brasil) usuários pelo mundo receberam zero de nós. Por volta das 10h25 (14h25 no Brasil) as pessoas que vieram ao Twitter finalmente conseguiram o que esperavam: o Twitter”.

Segundo o Twitter, a queda veio de dentro de seus próprios data centers. “Data centers são projetados para serem redundantes: quando um sistema falha (como acontece com tudo uma hora ou outra), um sistema paralelo assume. O que foi digno de nota, hoje, é que a queda foi causada pela coincidente falha de dois sistemas paralelos praticamente ao mesmo tempo”, explicou a rede.

Durante a falha de hoje, sequer a tradicional figura da baleia aparecia. Caíram não apenas o Twitter.com, mas também alguns de seus clientes móveis, e o encurtador de URLs t.co foi desabilitado.

Fonte: site terra

 

ESPERANDO RESPOSTA!

As perguntas, quando bem elaboradas, são poderosas, pois levam as pessoas a refletir sobre certas incoerências praticadas, entre tantos outros direcionamentos que exigem mudanças de atitude. Nesse sentido, o gerente de Vendas da área de Papel da Omya do Brasil Ltda., Guillermo Gollmann, enviou à sua gerente do Banco Itaú Personnalitè a seguinte pergunta: lápis e papel – qual futuro? Ele, que é cliente do Itaú desde 1987 e Personnalité desde 2002, espera até agora uma resposta formal à sua carta, que publicamos a seguir, de forma editada, para ampliar a voz de todos aqueles que gostariam de ser tratados com respeito e inteligência como profissionais do setor de celulose e papel. De acordo com a ligação telefônica recebida de sua gerente, a carta foi encaminhada à área de Marketing do banco!

 “Lápis e papel – qual futuro?“

 Estou escrevendo a você para agradecer o presente que o Banco Itaú me mandou pelo correio “para celebrar esses dez anos do Personnalité ao meu lado e toda a minha história com o Itaú Unibanco”: um porta-lápis com dez lindos lápis dourados de borracha na ponta. Presente de muito bom gosto!

Fiquei extremamente feliz com o presente, que, além de bonito, é muito útil, já que costumo escrever muito, desenhar, projetar, rabiscar, etc. Mas devo confessar que, ao receber o presente e a mensagem, fiquei com uma dúvida que certamente você, minha gerente Personnalité nesses últimos anos, poderá me ajudar a esclarecer.

Tenho visto na TV a campanha para redução do uso do papel, segundo o Banco “para colaborar com um mundo mais sustentável”. Também em todas as correspondências que recebo do Banco, aparece no envelope uma mensagem me pedindo para cancelar o recebimento em papel e passar ao meio eletrônico.

Bom, aí surgem as perguntas: se o Banco quer reduzir o papel, por que será que me envia dez lindos lápis para “continuar participando dos desenhos de todos os meus projetos”? Não deveria, então, ter me enviado um tablet eletrônico ou um computador? Não seriam esses, segundo a filosofia do Banco, presentes mais “sustentáveis”?

Como você bem deve saber, sou um profissional do setor de papel e celulose há exatos dez anos, com muito orgulho de fazer parte de um grupo de milhares de profissionais brasileiros que trabalham na produção,

comercialização e conversão de um produto biodegradável, renovável e que provém de florestas plantadas de forma ambientalmente correta, socialmente justa e economicamente viável. Se a campanha pelo fim do papel – que levanta erroneamente a bandeira da sustentabilidade sem ter absolutamente nenhum fundamento real – tivesse o efeito que o Banco deseja, eu simplesmente não teria mais projetos para escrever! Sendo assim, por favor, me ajude a esclarecer: qual das campanhas – a do fim do papel ou a do lápis para escrever o futuro – está mais alinhada com a política do Banco Itaú?

Assim você estará me esclarecendo se realmente o Banco Itaú quer fazer parte do meu futuro. A campanha contra o papel é uma campanha contra minha profissão, contra o meu futuro e o de milhares de profissionais do setor. Os lindos lápis e a ideia de escrever em papel o meu futuro são o que eu chamaria de “Perfeito para mim”. “Só é perfeito para nós quando é perfeito para você”, não é?


Fonte: Revista O Papel – ABTCP – Maio/2012

TRÊS DICAS PARA FAZER MAIS COM A MESMA QUANTIDADE DE TEMPO


Para crescer mais rapidamente, algumas empresas pequenas tentam fazer mais com a mesma quantidade de tempo. Muitas vezes isso significa mais horas de trabalho e menos horas de lazer e fins de semana, o que pode sacrificar o bem-estar dos membros da equipe.

Como fazer isso de forma mais eficiente? O site da revista Inc. listou três dicas de como otimizar seu tempo e conseguir resultados melhores sem prejudicar as pessoas envolvidas no negócio. Confiram:

1. Identifique as suas prioridades e concentre-se nelas

Muitas vezes funcionários de uma empresa acabam dedicando tempo a atividades que não são essenciais ao negócio. A chave é identificar quais são os objetivos que, se alcançados, trarão mais valor para a empresa. A partir disso, concentre-se neles com afinco. Isso não significa perder o foco nas outras necessidades do negócio, apenas realizar as prioridades rapidamente.

2. Estabeleça e cumpra duas metas por semana

Estabelecer pequenas metas semanais para cada funcionário pode ser uma forma de motivar e direcionar a equipe. A ideia é que você use esse período mais curto e simplifique seus objetivos. Uma boa alternativa é que o supervisor da equipe ajude a criar duas metas para serem realizadas a cada semana. Mesmo com dias cheios de trabalho, muitos funcionários não conseguem identificar o que realizaram. Essa pequena lista não só ajuda a direcionar o trabalho de cada um como os motiva mais.

3. Terceirize trabalhos que não fazem parte da essência da empresa

Se você achar que sua equipe está fazendo algum trabalho que não faz parte da essência da empresa, pare tudo e terceirize esse serviço. Muitas empresas que não são de tecnologia, por exemplo, não precisam dedicar membros específicos para fazer alguma tarefa dessa área. Se você pode realizá-la mais rápido e com um custo baixo contratando alguém de fora, faça isso. Lembre-se de que o crowdsourcing é uma boa alternativa para resolver tarefas pequenas e simples. Antes de delegar algo que possa facilmente ser terceirizado, procure empresas que façam o trabalho e pesquise preços.

Fonte: Papo de Empreendedor – 24/07/2012

AMSTERDÃ CONTA COM CARRINHOS DE SORVETE MOVIDOS A ENERGIA SOLAR

AMIGOS, ESTAMOS EM PERÍODO DE CAMPANHA ELEITORAL,  SOU CANDIDATA À VEREADORA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, COMO TODOS JÁ SABEM. CONTUDO, O BLOG TAMBÉM TEM A FINALIDADE DE LEVAR A VOCÊS MATÉRIAS IMPORTANTES E DE INTERESSE DA SOCIEDADE. RECEBI ESTA MATÉRIA DE UM AMIGO  E COMPARTILHO POR SER UM ASSUNTO  EM PAUTA NO MOMENTO E NO MUNDO – GERAÇÃO DE ENERGIA , SUSTENTABILIDADE.  PODERIA SER NOTÍCIA BRASILEIRA. ACORDA BRASIL!  ABRAÇOS, DJANIRA FELIPE.

Amsterdã, na Holanda, conta com uma novidade autossustentável desenvolvida por uma empresa chamada Springtime, trata-se de um carrinho de sorvetes movido a energia solar. O creme é mantido geladinho através da energia captada pelo sol

O carrinho é baseado em um sistema que tem a capacidade de armazenar a energia solar, que é totalmente captada por painéis fotovoltaicos no teto, através de baterias. As baterias conseguem fornecer energia para que o sorvete mantenha-se em bom estado até o final dia, mesmo que esteja nublado.

Caso faça vários dias nublados, é possível recarregar as baterias à noite através de uma tomada.

Essa moda poderia pegar aqui no Brasil também, não acham? Os carrinhos de sorvete de Amsterdã foram patrocinados pela empresa ljs & Zopi, e as primeiras unidades começaram a circular pela cidade nesse mês.

Fonte: Oficina da Net – 24/07/2012

DJANIRA FELIPE – PRIORIZA VOCÊ!

FAÇA A DIFERENÇA!

VOCÊ TEM UMA NOVA OPÇÃO PARA VEREADORA.

DJANIRA FELIPE – VOCÊ PRECISA CONHECER-ME:

  1. Nasci na Cidade do CRATO – Sul do Ceará e moro no Rio de Janeiro, desde a década de 70;
  2. Trabalho nos CORREIOS há 25 anos – Atualmente na Assessoria de Planejamento e Gestão – Cargo Analista de Correios Pleno – Atividade Administrador;
  3. Minha candidatura é motivada pelos desafios que a cidade do Rio de Janeiro apresenta e que marca o inicio de uma caminhada, que faremos juntos;
  4. Os ideais que me trouxeram até aqui foram impulsionados pela necessidade daqueles que perderam a confiança e a credibilidade na realidade política que hoje vivemos. Tenham a certeza de que não foi por ambição de poder nem para resolver problemas pessoais;
  5. Tenho Qualificação e Vontade Política para realizar o Trabalho com Ética, Seriedade e Comprometimento, como sua Representante na Câmara dos Vereadores;
  6. Conheço a realidade daqueles que moram em comunidades. Carentes, principalmente de Políticas Públicas e Sociais;
  7. Conheço a realidade daqueles que moram fora das comunidades, mas que são igualmente carentes porque também fazem parte do POVO da cidade do Rio de Janeiro;
  8. Sou Mulher que Idealizo e Realizo;
  9. Sinto na pele os anseios do Povo porque sou igual, porque sou Povo;
  10. Sou a Cidadã Brasileira, Cearense que deseja representar, servir e atender o interesse do Povo do Rio de Janeiro, Legitimada pelo seu VOTO.

Minha Prioridade é Você! Será Sempre Você! Porque faço Política Séria, em prol do bem comum.

ACREDITE!  VOCÊ PODE FAZER A DIFERENÇA!   VOTE – 10196 – DJANIRA FELIPE.

 

DJANIRA FELIPE NAS ELEIÇÕES 2012

CAROS AMIGOS,

CONHEÇAM A PRIMEIRA  ARTE  OFICIAL DA CAMPANHA

E LEMBRE-SE:

AQUELE QUE CRER SEMEIA

VOTE 10196

FAÇA A DIFERENÇA!

DJANIRA FELIPE

SUA NOVA OPÇÃO PARA VEREADORA.

DJANIRA FELIPE – NOTA AOS AMIGOS

QUERIDOS AMIGOS,

OBRIGADA PELA MANIFESTAÇÃO DE CARINHO E APOIO.

AQUELE QUE CRER SEMEIA.

NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS É VOCÊ QUEM DECIDE O QUE SERÁ MELHOR PARA O RIO DE JANEIRO.

VOTE 10196 FAÇA A DIFERENÇA!

DJANIRA FELIPE

SUA NOVA OPÇÃO PARA VEREADORA.

 PEÇO A VOCÊ A OPORTUNIDADE PARA REALIZAR UM TRABALHO SÉRIO.

MEU COMPROMISSO É COM VOCÊ E SUAS PRIORIDADES.

 FAÇA A DIFERENÇA! 10196 PRB/RJ

 O PREFEITO É O EDUARDO PAES

Parafraseando o Senador Eduardo Lopes, acredito que estou dando o primeiro passo certo! Na direção certa!

SERVIR E ATENDER O INTERESSE DO POVO.

SOU IGUAL A VOCÊS!

DJANIRA FELIPE   

 

DJANIRA FELIPE NO EVENTO PSG – LANÇAMENTO DO PORTAL – RADIOENTREAMIGOS.COM. BR CONFIRA ALGUMAS FOTOS.

Este slideshow necessita de JavaScript.

AMADOS LEITORES.

Estive no Lançamento do Portal, RADIOENTREAMIGOS.COM. BR, no encontro do PSG – Poeta Saia da Gaveta, nesta terça-feira 10/07/2012, prestigiando os Amigos do Programa Carlos Rocha Entre Amigos, os Amigos da Revista do Grande Meyer, e da AMME – Associação dos Moradores do Méier.

Para mim, DJANIRA FELIPE, escritora, é uma honra estar entre os Poetas, sinto-me muito bem acolhida pelo grupo de intelectuais a cada encontro capitaneado pelas amigas Teresa Drummond e Neudemar. Expressei este sentimento durante o evento.

Hoje especialmente, pelo lançamento do Portal e pela presença dos amigos da Rádio, onde já participei de um dos programas no qual foi entrevistada pela amiga Sandy e falei sobre o Papel da Mulher na Política, no Trabalho e sobre os Desafios da Mulher de Baixa Renda que deverá ser disponibilizada em breve no Portal.

Fiquei feliz pela presença e pela receptividade dos Amigos Santos Máximo e Marco Máximo, Editor e Jornalista da Revista do Grande Meyer, respectivamente, amigos que me prestigiaram na edição de junho com a matéria sobre a publicação do lançamento do meu Livro em 08/05/2012 no PSG.

Fiquei satisfeita pelo sorteio de um exemplar do livro pela Teresa Drummond, e que a Amiga Bianca Pimenta da Rádio foi a ganhadora.

Além de todos os motivos já citados que faz este encontro especial tive a oportunidade como CANDIDATA À VEREADORA, número 10196 pelo PRB/RJ, de conversar informalmente na saída do evento, com algumas pessoas sobre os problemas do Bairro.

Por fim, Registro os meus sinceros Agradecimentos e Parabenizo a todos os amigos do PSG, Teresa e Neudemar, Carlos Rocha e Amigos da Rádio, Amigos da AMME e os Amigos da Revista do Grande Meyer.

AMIGOS, MINHA MENSAGEM COM TODO CARINHO.

AQUELE QUE CRER SEMEIA. FAÇA A DIFERENÇA!

CONTEM COMIGO SEMPRE! PELO RIO DE JANEIRO E PELO MÉIER.

Um abraço Fraterno,

DJANIRA FELIPE.        

CIDADES SUSTENTÁVEIS E INOVAÇÃO

A promoção do uso de dejetos como fonte de energia renovável e o planejamento antecipado da sustentabilidade e da qualidade de vida são as recomendações da sociedade para os Chefes de Estado.

O desafio de aplicar conceitos sustentáveis a cidades com um ritmo cada vez mais acelerado de crescimento populacional pautou as discussões dos dez palestrantes do painel “Cidades sustentáveis e inovação”, nesta terça à noite. O tema marcou o encerramento do terceiro dia dos Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável, série de encontros com representantes da sociedade civil, comunidade acadêmica e científica e setor privado.

O arquiteto chileno Alejandro Aravena defendeu a necessidade de simplificar o processo de ações de medidas sustentáveis. Aravena defendeu que, mais do que tecer estrategemas complexos, é preciso usar modelos exitosos como ponto de partida. “A complexidade é paralisante”, argumentou o arquiteto. Entre esse modelos, está o de Masdar, uma pequena cidade em Abu-Dhabi, cujo modelo foi apresentado pela diretora de sustentabilidade Nawal Al-Hosany. Graças a um planejamento eficiente, a cidade conta com espaços comunitários e bom transporte público. Desde a implantação de inovações sustentáveis, como telhados de prédios que geram até um megawatt de energia, Masdar viu a demanda energética cair em mais de 50%. A temperatura também é dez graus abaixo do observado em cidades vizinhas.

O arquiteto japonês Shigeru Ban e o americano Barry Bergdoll, curador-chefe de arquitetura e design do MOMA, falaram sobre o conceito de sustentabilidade aplicado a regiões que sofreram recentemente catástrofes naturais, como as que atingiram o Japão há um ano. Convocado pelo governo do país para construir estruturas temporárias para os desabrigados, Ban falou sobre o dilema entre o uso dessas estruturas e de instalações permanentes. Sugeriu que houvesse cidades que se deslocassem pelo país. “Deveríamos fazer uma nova cidade, que fosse a capital do Japão, e muda-la a cada quatro anos. Talvez essa seja a chave para a sustentabilidade: parar de construir”, disse o arquiteto.

O canadense David Cadman, presidente do Conselho Internacional para Iniciativas Ambientais Locais, lembrou que desastres naturais serão mais prováveis caso não haja mudanças drásticas nas grandes cidades: “Dois terços da população vivem hoje em áreas costeiras. Se não reduzirmos o ritmo das mudanças climáticas, teremos grandes inundações em menos de 20 anos e, aí então, será muito difícil arranjar qualquer tipo de solução para as cidades”.

Ligada a todas as questões de sustentabilidade nas grandes cidades, a mobilidade urbana também foi discutida na mesa-redonda. O ex-governador do Paraná Jaime Lerner lembrou que 75% das emissões de carbono se originam na cidade e que metade delas vem do carro. “O carro é o cigarro da cidade”, comparou. “O que já se investiu em bancos e na indústria automobilística daria para salvar todas as cidades do mundo, com qualidade de vida. Não é difícil ser sustentável se você usa pouco o carro, separa o lixo e mora perto do trabalho”, afirmou Lerner.

As grandes distâncias entre favelas e regiões centrais e os desgastantes deslocamentos de trabalhadores também receberam críticas do mexicano Enrique Ortiz, ex-presidente da Coalizão Internacional de Habitação. “As cidades viraram um paraíso de especulação imobiliária. Os pobres estão sendo enviados para muito longe. Teve cidade no México que cresceu até 30 vezes. Não podemos pensar numa cidade sustentável com esses parâmetros”, afirmou Ortiz.

A preocupação é compartilhada pelo senegalês Khalifa Sall, prefeito de Dakar, que destacou o intenso êxodo rural observado em algumas regiões africanas, e pela americana Janice Perlman, presidente do Projeto Megacidades, que há 40 anos trabalha com favelas ao redor do mundo.

Presidente emérito do Instituto Ethos, o brasileiro Oded Grejew lembrou que não bastam apontar problemas e ter ideias, é preciso estabelecer metas, prazos e sanções para governos que descumpram compromissos estabelecidos. “Sem uma cobrança forte, nada será feito”, afirmou Grejew. “Será muito frustrante se isso não der em nada”.

No fim do encontro, foram apresentadas as recomendações mais votadas pelo público online e pelos presentes da plenária. As escolhidas foram “A promoção do uso de dejetos como fonte de energia renovável em ambientes urbanos” e “O planejamento antecipado da sustentabilidade e da qualidade de vida nas cidades”. Insatisfeitos com a pouca abrangência da lista de sugestões disponíveis, os palestrantes se dispuseram a fazer a redação de uma nova recomendação, que consolide os temas discutidos nesse diálogo.

Sobre os Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável

Os Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável iniciaram-se no sábado, 16 de junho, e se encerraram hoje na plenária do Pavilhão 5 do Riocentro. Foram dez rodadas de discussão, com dez participantes em cada uma, que abordaram temas prioritários da agenda internacional de sustentabilidade. A cada rodada, três propostas foram escolhidas, uma pelos palestrantes, uma pelos participantes da sessão e uma pelos internautas. As trinta sugestões mais votadas serão levadas aos Chefes de Estado e de Governo durante o Segmento de Alto Nível na Conferência.

Foram dez os temas dos Diálogos: (i) Desemprego, trabalho decente e migrações; (ii) Desenvolvimento Sustentável como resposta às crises econômicas e financeiras; (iii) Desenvolvimento Sustentável para o combate à pobreza; (iv) Economia do Desenvolvimento Sustentável, incluindo padrões sustentáveis de produção e consumo; (v) Florestas; (vi) Segurança alimentar e nutricional; (vii) Energia sustentável para todos; (viii) Água; (ix) Cidades sustentáveis e inovação; e (x) Oceanos. Todos os debates foram transmitidos ao vivo no website das Nações Unidas.

Fonte: Rio + 20 – 19/06/2012

DJANIRA FELIPE NAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012 – PRB/RJ

CAROS AMIGOS LEITORES – ELEITORES

     O Senador Eduardo Lopes e Djanira Felipe na Convenção em 24-06-2012

Hoje utilizarei este espaço para trazer a todos uma mensagem especial, e ao mesmo tempo, um convite para uma caminhada juntos.

Por isto ouso dizer sem medo de errar: 

AQUELE QUE CRER SEMEIA.

VOTE – 1 0 1 9 6

FAÇA A DIFERENÇA!

DJANIRA FELIPE

SUA VEREADORA

Nos próximos três meses estaremos juntos, apresentarei as minhas ideias, projetos, nas diversas áreas, e principalmente quero ouvir a voz do povo, os seus anseios, que também são os meus.

Vim de longe para fazer a diferença com você.

Abraços,

Djanira Felipe

Rio de Janeiro, 07 de julho de 2012

BRASIL É O TERCEIRO PAÍS COM MAIOR NÚMERO DE EMPREENDEDORES

Em um ranking de 54 países, o Brasil é o terceiro com maior número de empreendedores no mundo, atrás apenas da China e dos Estados Unidos. O País possui 27 milhões de pessoas envolvidas em um negócio próprio ou na criação de um. É o que revela uma pesquisa realizada com empresáros entre 18 e 64 anos, pela GEM 2011 (Global Entrepreneurship Monitor), em parceria entre o Sebrae e o IBQP (Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade).

Os empreendedores representam 27% da população adulta brasileira e, entre eles, 85% estão no mercado há mais de três meses. Desses, 12 milhões, o equivalente a 45%, estão estabelecidos em seus segmentos de atuação, ou seja, atuam no mercado há mais de 42 meses. Outros 11 milhões, 40% do total, são classificados como novos empreendimentos por funcionarem há mais de três meses e menos de 42 meses.

“O Brasil mudou muito, nos últimos anos: cresceram a renda e o nível de emprego. Por isso, hoje temos empreendedores mais qualificados, que buscam no próprio negócio a oportunidade para se desenvolver”, diz o diretor-técnico do Sebrae, Carlos Alberto dos Santos.

A pesquisa também mostra que 15% dos empreendedores, ou 4 milhões de pessoas, estão envolvidos na criação do próprio negócio. A maioria dos empresários afirma que optou pela área porque constatou uma oportunidade de mercado e não por necessidade. A estimativa é que para cada negócio aberto por necessidade, por motivo de desemprego, por exemplo, 2,24 começam pela identificação de uma oportunidade de negócio.

O número é o maior desde 1999, mas ainda é inferior à média dos 54 países, que é de 4,35 negócios por oportunidade para cada um aberto por necessidade.

China aparece em primeiro lugar no ranking, com quase 370 milhões de empreendedores, e os Estados Unidos, que ocupa a segunda posição, possui cerca de 40 milhões.

Empreendedoras

Entre os empreendedores iniciais, a proporção de mulheres é maior que a média mundial. De cada 100 empreendedores iniciais, 49 têm comando feminino. A média dos 54 países pesquisados nesse grupo é de 37 empreendedoras para cada 100.

Elas preferem negócios como estética e tratamento de beleza, comércio de vestuário, fornecimento de comida preparada e confecções. Já os homens gostam mais de atividades relacionadas a manutenção e reparação de veículos automotores, minimercados, lanchonetes e similares, e transporte de passageiros.

Faixa-etária

Dos 27 milhões de empresários brasileiros, mais da metade têm de 25 a 44 anos. Outros 3,4 milhões têm até 24 anos. Seis milhões estão na faixa de 45 a 54 anos, e 3,3 milhões têm mais de 55 anos.

A renda mensal obtida por metade dos empreendedores chega a, no máximo, três salários mínimos. Um terço deles fatura entre três e seis salários mínimos e menos de 15% tira mais de seis salários mínimos por mês com o próprio negócio.

Geradores de emprego

Os pequenos negócios são responsáveis pela maior parte dos postos de trabalho no Brasil. Dados referentes a 2010 da Pesquisa de Emprego e Dieese (Desemprego do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) mostram que os pequenos negócios geram dois em cada três postos de trabalho no setor privado.

O estudo indica também que a maior parte dos pequenos negócios prevê ampliação de seus quadros de profissionais. Entre os negócios, com menos de 42 meses de existência, quase a metade pretende contratar entre um e cinco funcionários nos próximos cinco anos. Apenas um terço não planeja abrir vagas e o restante deve empregar mais de cinco pessoas nesse período.

Fonte: InfoMoneyy – 03/07/2012

%d blogueiros gostam disto: